Novo presidente do parlamento venezuelano é impedido de entrar no Legislativo

Caracas, 4 jan (EFE).- O novo presidente do parlamento venezuelano, que será instalado amanhã, o opositor Henry Ramos Allup, foi impedido entrar no Legislativo nesta segunda-feira para realizar diligências administrativas sobre sua gestão anterior e foi insultado por chavistas que estavam nos arredores do prédio.

"Eu ia pedir um documento que dissesse quanto é o montante das minhas economias, da minha propriedade, e não me deixaram entrar", relatou em entrevista coletiva o político que a partir de amanhã será o novo presidente da Assembleia Nacional por um ano.

Ramos Allup, que foi eleito ontem presidente da Assembleia por 62 dos 112 deputados opositores eleitos no último dia 6 de dezembro, contou que um "autodenominado xerife" que cuidava da porta do parlamento lhe disse que não podia entrar.

"Ele me disse que eu não podia entrar em sua casa: 'O senhor não vai entrar a minha casa enquanto eu estiver aqui'. E diante de um energúmeno como este o que se pode dizer? Seguramente ele não entenderá a língua que entendemos todos, talvez, se eu tivesse lhe dito que era meu direito, ele teria sacado uma arma", disse Ramos Allup.

O parlamentar acrescentou que "com muita prudência, com muita serenidade" se retirou do lugar "verdadeiramente surpreendido" ao não assimilar "uma conduta tão primitiva como esta que não é própria de um ser humano normal".

Sobre a segurança que haverá amanhã durante a instalação da nova Assembleia, o deputado opositor assinalou que recebeu a informação de que a Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) "vai garantir a ordem" para "assegurar o perímetro" e que "tudo vai transcorrer em paz".

Neste sentido, Ramos Allup pediu ao governo "que diga a sua gente" que acompanhe seus deputados "em paz e em tranquilidade" e com atitude de aceitação dos resultados eleitorais das legislativas que deram a vitória à oposição com 112 legisladores, frente aos 55 do chavismo.

O novo presidente do parlamento se referiu assim a pessoas que se identificaram como chavistas, que se mantêm nos arredores do parlamento e que, além de gritar impropérios contra o deputado, asseguram que se manterão em vigília até amanhã, dia da instalação da nova Assembleia.

Para esta terça-feira também espera-se que simpatizantes da oposição também acompanhem os 112 deputados dessa bancada até a sede do parlamento.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos