Otan está montando preparativos militares em torno da Rússia, adverte Moscou

Moscou, 4 jan (EFE).- O rearmamento da Otan nos países do leste da Europa e no Báltico, na fronteira com a Rússia, està tomando forma de preparativos militares contra Moscou, advertiu o embaixador russo na Aliança, Aleksandr Grushko, em entrevista publicada nesta segunda-feira pela "Interfax".

"A Otan voltou à política de contenção da Rússia, aos instrumentos de confronto para garantir sua segurança. Tudo isto toma a forma de preparativos militares concretos em torno das fronteiras da Rússia e investir nesta tendência será complicado inclusive se houver vontade política", lamentou Grushko.

A Aliança Atlântica, ressaltou o diplomata russo, voltou a pôr "a armadura da Guerra Fria e não tem intenção de tirá-la".

"O que se tenta é levantar uma nova Cortina de Ferro na Europa, forçar os europeus esquemas de segurança da época do confronto, e de quebra demonstrar que a Aliança é capaz de defender seus interesses", recalcou Grushko.

A Rússia, no entanto, aposta em "uma arquitetura da segurança comum, baseada na indivisibilidade da segurança", explicou o embaixador russo na Otan, que se mostrou confiante de que "tarde ou cedo em Bruxelas tomarão consciência disto".

"Hoje em dia ninguém é capaz de criar ilhotas de segurança. A cooperação no problema nuclear iraniano, a destruição das armas químicas sírias, a cada vez mais forte cooperação na luta contra o Estado Islâmico demonstram a inocuidade das tentativas de isolar a Rússia", concluiu.

Os Estados Unidos confirmaram em junho seus planos de desdobrar temporariamente tanques, veículos blindados e artilharia em Bulgária, Polônia, Romênia, Estônia, Letônia e Lituânia.

As relações entre Rússia e a Otan se deterioraram nos últimos anos e chegaram a um nível sem precedentes desde a desintegração da União Soviética, primeiro pelos planos dos EUA de desdobrar um escudo antimísseis no leste da Europa e depois pela crise da Ucrânia.

A Aliança Atlântica reforçou notavelmente sua presença militar desde a anexação russa da Crimeia e a sublevação pró-russa no leste da Ucrânia.

A Otan também inaugurou seis novos quartéis-gerais no leste da Europa, o que o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, qualificou como o maior plano de rearmamento da Otan desde a Guerra Fria.

Esses quartéis, que funcionarão como centros de planejamento e coordenação para missões de treinamento das forças de resposta rápida, foram abertos em Estônia, Letônia, Lituânia, Bulgária, Romênia e Polônia, os países mais preocupados com a ingerência russa na Ucrânia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos