Rajoy ressalta que quer acordo de governo com socialistas e liberais

Madri, 5 jan (EFE).- O presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, voltou a pedir nesta terça-feira um grande acordo de governo ao PSOE (socialistas) e ao Ciudadanos (liberais) para consolidar a recuperação e dar uma mensagem de estabilidade dentro e fora da Espanha.

Em entrevista à emissora "COPE", ele defendeu o acordo através da negociação de um programa de governo. No final do ano passado, o partido de Rajoy, o PP (centro-direita) ganhou as eleições legislativas com 123 cadeiras (de 350), seguido do PSOE com 90, Podemos (esquerda) com 69, e Ciudadanos (partido político) com 40.

Seu mandato começa no dia 13 e, após se reunir com os porta-vozes parlamentares, o rei Felipe VI irá propor um candidato à presidência do governo, apesar de, por enquanto, os partidos não terem avançado em possíveis pactos. Neste contexto, Rajoy quer se manter à frente do Executivo mediante um acordo com PSOE e Ciudadanos que permitiria fazer reformas "com um amplíssimo apoio" que ficariam "para muitos anos" e dariam estabilidade à Espanha.

Ele advertiu do risco que, em sua opinião, entranharia um governo do PSOE com a "extrema esquerda" e os partidos nacionalistas, porque "geraria instabilidade" e "não seria bom nem para a economia nem para a política" do país. Os socialistas afirmaram que não apoiarão a posse de Rajoy como presidente com a intenção de esperar que sua tentativa de ser reeleito fracasse para a continuação negociar com outros grupos um eventual acordo entre forças progressistas.

Segundo o presidente do Governo espanhol, PP, PSOE e Ciudadanos são unidos pelo "fundamental", que é a unidade da Espanha, a soberania nacional, o princípio da igualdade dos espanhóis, a filiação à União Europeia, a política externa e de defesa assim como "o grande objetivo de crescer e criar emprego".

Sobre o bloqueio institucional na Catalunha, onde o governo regional está interino desde setembro do ano passado perante a impossibilidade de acordos, Mariano Rajoy afirmou que "não há outra saída" que não seja voltar a realizar eleições. Se os partidos catalães não chegarem a um acordo antes do próximo domingo, o parlamento se dissolverá automaticamente e haverá novos pleitos em março.

Na entrevista, Rajoy ainda criticou o líder nacionalista catalão Artur Mas por suas aspirações independentistas e reiterou que o Estado tem meios suficientes para fazer cumprir a lei e manter a soberania nacional e a unidade da Espanha.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos