Bahrein anuncia desarticulação de célula terrorista ligada a Irã e Hezbollah

Manama, 6 jan (EFE).- Os serviços secretos do Bahrein desarticularam uma célula que estaria planejando ataques nesse país, e que as autoridades vincularam à Guarda Republicana do Irã e a milícia xiita libanesa Hezbollah.

O Ministério do Interior do Bahrein informou que esta célula tinha "um plano terrorista" com o qual pretendia desestabilizar o país através de ataques com explosivos.

O anúncio foi feito em meio ao aumento da tensão entre vários países sunitas e o Irã, com quem o Bahrein rompeu relações diplomáticas esta semana depois da execução de um clérigo xiita na Arábia Saudita e do ataque contra as sedes diplomáticas sauditas no Irã.

A suposta organização violenta, denominada "Grupo al Basta", foi criada como o braço armado do movimento político xiita Al Wafa (Corrente da Fidelidade Islâmica), de oposição ao governo bareinita.

Ela seria dirigida desde o Irã pelo bareinita Murtada Ramadan, conhecido como Al Sandi, de 33 anos, com financiamento da Guarda Republicana Iraniana e do Hezbollah, segundo a nota.

O Interior assinalou que o grupo tem ligação com os supostos autores de um atentado com explosivos em 28 de julho na região de Sitra, que causou a morte de dois policiais.

Os serviços de segurança do Bahrein detiveram várias pessoas ligadas a esta suposta organização, mas não divulgaram o número total de detidos.

As autoridades explicaram ainda que vários membros da célula já estavam presos após terem sido condenados por outros atos violentos, antes de a polícia saber da existência do plano terrorista.

Entre os detidos estão os irmãos gêmeos Mohd e Ali Fajrawi, que são simpatizantes do partido xiita Al Wefaq, o principal da oposição bareinita, mas não têm relação com a Al Wafa, segundo fontes ligadas à família consultadas pela Efe.

Outro dos membros da célula que foi preso é o jornalista Mahmoud al Yaziri, do jornal "Wasat", acusado de escrever artigos favoráveis ao Wafa.

Em 13 de agosto as autoridades anunciaram a prisão de cinco suspeitos de serem os autores do atentado de Sitra, e os ligou à Guarda Republicana iraniana e ao Hezbollah.

O Bahrein acusa com frequência o Irã de apoiar A oposição xiita do reino.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos