Com humor e controvérsia, Trump domina campanha nas redes sociais

Irene Benedicto.

Washington, 13 jan (EFE).- Entre os aspirantes à Casa Branca nas eleições deste ano, o republicano Donald Trump vai ganhando a batalha do mundo virtual por lidar melhor com o "senso de humor" e "a controvérsia", que inclusive o levam à categoria de "trol das redes sociais".

Se a corrida presidencial fosse disputada apenas nas redes sociais, o bilionário seria, por enquanto, o vencedor, segundo especialistas em redes sociais e campanhas políticas que se reuniram nesta quarta-feira no Centro de Imprensa Estrangeira em Washington.

O tom provocador de Trump, segundo eles, o eleva à categoria de "trol" - que, no jargão da internet, é um agitador que entra em debates para enfurecer os demais participantes com opiniões exageradas ou extremistas.

"Trump não seria tão poderoso como é hoje sem a amplificação das redes sociais", opinou Mindy Finn, que trabalhou na campanha do ex-presidente George W. Bush e do também republicano Mitt Romney quando foi candidato à presidência em 2012.

"O que Trump aprendeu é: primeiro se entra no Twitter, semeia a controvérsia e deixa que a imprensa fale de você nas próximas 24 horas enquanto pode fazer outras coisas", explicou a especialista.

Por esses méritos, Finn deu a Trump a alcunha de "mestre das redes sociais" entre os 15 pré-candidatos que seguem na disputa pela indicaçºao de seus partidos (três democratas e 12 republicanos).

Mas Joe Rospars, chefe de estratégias digitais de Obama nas campanhas de 2008 e 2012, foi um passo além e identificou Trump como um autêntico "trol" das redes sociais.

Com o título "Fazendo barulho ou falando em diferentes volumes: Como os candidatos à presidência dos Estados Unidos estão utilizando os redes sociais", os especialistas debulharam as estratégias de cada um dos aspirantes.

O senso de humor é importante, segundo os especialistas, pelo enfoque de "entretenimento" das redes sociais, que tornam a política "menos chata" para o público desencantado.

Segundo Finn, a descontração das redes sociais pode salvar os políticos dos "deslizes", já que, ao "humanizar" um candidato, "somos mais propensos a perdoar ou passar por cima" de seus defeitos.

Assim, os seguidores de Trump no Twitter podem aceitar suas opiniões contra os imigrantes, apesar de que não as assinarem embaixo, com a premissa de que o magnata está sendo "espontâneo".

Candidatos como o governador da Flórida Jeb Bush pagam caro por seus deslizes por não cultivarem o "lado humano", mas em troca, com tweets comprometidos sobre o Iraque ou sobre a igualdade das mulheres, conseguem maior envolvimento de seus seguidores.

Para Rospars, tanto Trump como Bush são "supercalculistas, só que com matemática diferentes": enquanto o primeiro procura ser "o candidato humano", o segundo se apresenta como "o candidato sólido e confiável".

A maior dúvida sobre uma campanha de espectro tão amplo como a de Trump é ela "mobilizará na hora de votar", indicador que medirá a "eficiência" de sua campanha, afirmou Rospars.

Em relação aos outros candidatos, Finn avaliou positivamente o "esforço de aprendizagem" do senador republicano pelo Texas Ted Cruz com o lançamento de um aplicativo que funciona como um jogo e fala sobre sua candidatura e estimula doações.

No lado democrata, o mais talentoso em redes sociais, segundo os especialistas, é o senador por Vermont Bernie Sanders, que manteve um perfil aguerrido e cujo impacto "não deixa de surpreender". Sobre a favorita, Hillary Clinton, eles se limitaram a classificar sua estratégia em redes sociais como boa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos