Presidente de R.Tcheca acha que muçulmanos não podem se integrar na Europa

Praga, 17 jan (EFE).- O presidente da República Tcheca, Milos Zeman, conhecido por suas opiniões críticas sobre os refugiados do Oriente Médio, afirmou neste domingo que integrar os muçulmanos na Europa é "virtualmente impossível".

Em entrevista concedida a um canal de televisão local, o presidente tcheco assinalou que a cultura que estes refugiados trazem "não se pode ser transferida para a Europa".

Para deter a onda migratória, que afeta sobretudo Alemanha, Suécia e Áustria - embora em nenhum caso a República Tcheca - é necessário derrotar o grupo jihadista Estado Islâmico, afirmou Zeman no jornal "Mlda Fronta Dnes".

O Ocidente deve unir suas forças com o presidente sírio, Bashar al Assad, contra o inimigo comum para alcançar este objetivo.

"Assim como Stalin (o ditador soviético) se uniu aos aliados (na Segunda Guerra Mundial), nós devemos nos unir a Assad", concluiu Zeman.

Nos últimos meses, o presidente tcheco causou várias polêmicas com seus comentários abertamente islamofóbicos, mas que, no entanto, parecem ter sido bem visto no país, mostraram as pesquisas de opinião.

Entre suas afirmações mais escandalosas se destaca a de insinuar que o islã é uma religião de assassinos.

A República Tcheca é, junto com Eslováquia, Polônia e Hungria, um dos quatro países comunitários mais críticos com a política migratória na União Europeia (UE), marcada pela Alemanha.

À República Tcheca chegaram apenas dezenas de refugiados muçulmanos desde o começo da grande onda migratória, em meados do ano passado, frente as centenas de milhares de pessoas na Áustria e na Alemanha.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos