Síria culpa "países que apoiam o terrorismo" por massacre em Deir ez Zor

Damasco, 18 jan (EFE).- O governo da Síria acusou nesta segunda-feira os países que "apoiam o terrorismo", como a Arábia Saudita, o Catar e a Turquia, de serem responsáveis pelo massacre cometido Estado Islâmico (EI) em Deir ez Zor, uma das principais cidades do leste do país, onde centenas de civis foram assassinados e sequestrados pelo grupo jihadista.

Segundo a agência oficial síria "Sana", o Ministério das Relações Exteriores do país enviou hoje duas cartas à Secretaria-Geral e ao Conselho de Segurança da ONU nas quais lembra que o EI atacou no último sábado um bairro do norte de Deir ez Zor, onde assassinou 280 civis, a maioria mulheres, crianças e idosos, além de ter sequestrado outras 400 pessoas.

"Esses crimes não teriam ocorrido sem o constante financiamento, fornecimento de armas e apoio logístico proporcionado pelas agências de inteligência de certos países, como Arábia Saudita, Catar e Turquia", disse o Ministério de Relações Exteriores da Síria.

Além disso, a Chancelaria síria destacou o "papel destrutivo desempenhado pela França, cuja diplomacia é eficiente na hora de disparar tolices e que demoniza as forças que, na verdade, lutam contra o terrorismo".

O governo da Síria afirmou que os massacres e crimes realizados pelo EI e outras organizações no país, como a Frente al Nusra - filial da Al Qaeda -, precisam de uma resposta do Conselho de Segurança da ONU.

Por isso, pediu que o principal órgão decisório das Nações Unidas "tome medidas contra os países que apoiam e financiam o terrorismo internacional, que tem como alvo a paz e a segurança mundial". E que a comunidade internacional abandone "os dois pesos e as duas medidas", cooperando diretamente com o governo sírio, que "é quem está lutando contra o terrorismo em nome do mundo".

A Síria se queixou, além disso, que os atos terroristas estão sendo cometidos diante "dos olhos da coalizão dos Estados Unidos", em referência à aliança internacional liderada por Washington contra o EI, que, de acordo com Damasco, "demonstrou seu fracasso e hipocrisia".

Em contraposição, o Ministério das Relações Exteriores da Síria ressaltou o trabalho do Exército do país e da Força Aérea da Rússia, aliada do regime do presidente Bashar al Assad, na luta contra o terrorismo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos