Estado Islâmico corta pela metade o salário de seus combatentes na Síria

Em Beirute

  • AP Photo/Militant Website/Arquivo

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) cortou pela metade o salário de seus combatentes na Síria, segundo informou a própria organização em uma circular a seus integrantes, divulgada nesta terça-feira pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos.

O texto, emitido pela Casa do Capital dos Muçulmanos, um dos órgãos criados pelos jihadistas, anuncia que "devido às condições excepcionais pelas quais passa o Estado Islâmico se decidiu reduzir pela metade a quantia que se paga aos mujahedins (guerreiros santos)".

A organização extremista advertiu que não haverá exceções nesta decisão "independentemente da posição que se ocupe" e antecipou que continuará distribuindo ajuda alimentícia duas vezes ao mês.

Ninguém sabe com toda certeza o valor dos salários dos milicianos do EI.

Há poucos dias, o Observatório, citando ativistas, afirmou que havia certo descontentamento entre os combatentes sírios do grupo radical porque seus salários tinham sido reduzidos, enquanto os dos guerrilheiros de outras nacionalidades árabes e de outros países tinham aumentado.

Em outubro, o Centro de Análise do Terrorismo da França, com sede em Paris, estimou que a fortuna do EI chegava a US$ 2,2 bilhões, construída principalmente através da coleta de impostos nos territórios que ocupa no Iraque e na Síria, e das exportações petrolíferas.

Na atualidade, os extremistas têm várias ofensivas abertas no território sírio, a mais recente na cidade de Deir ez Zor contra as tropas do regime de Bashar al Assad.

Nos últimos meses, o EI perdeu terreno na Síria para as forças curdas, que estão aliadas com grupos armados árabes e recebem o apoio dos Estados Unidos, em várias províncias sírias como Aleppo, Al Raqqa e Al Hasaka.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos