"É um erro crer que o problema do Irã está resolvido", diz diretor da AIEA

Viena, 23 jan (EFE).- O acordo nuclear que garante que o Irã não desenvolverá armas atômicas a curto prazo é muito positivo, mas o problema do conflituoso programa atômico do país ainda não está resolvido, afirmou o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano.

"No futuro precisaremos investir a mesma energia e esforço que antes. É um erro crer que o problema está resolvido", declarou Amano à Agência Efe na sede da organização, em Viena.

O acordo, em vigor há uma semana, estipula que a AIEA verifique que o país não supere certos limites na produção de combustível nuclear e, em geral, mantenha sob vigilância todas as suas atividades atômicas.

"Chegou-se a um acordo e acredito que foi uma conquista muito boa e estamos entrando em uma nova fase. Mas uma nova fase também requer o mesmo esforço. Não quero dizer que a aplicação (do acordo) seja muito difícil, mas requer um trabalho trabalhoso e contínuo", resumiu o diplomata japonês.

Para Amano, monitorar que o Irã cumpra o acordo requereria o apoio de todos os países-membros da AIEA, já que serão necessários recursos financeiros e o recrutamento de mais especialistas e inspetores.

E, certamente, é imprescindível a colaboração iraniana, destacou o diretor-geral.

Amano disse que, quando visitou o Irã no começo desta semana, a cúpula do governo "mostrou um compromisso muito claro para uma plena implementação de acordo".

No caso de descumprimentos, a AIEA informará a seu Conselho de Governadores, órgão executivo desta agência da ONU.

"A AIEA é uma organização técnica, imparcial, objetiva e não política. O que temos que fazer é mostrar os fatos para facilitar as decisões dos Estados-membros. Nós não mudamos os fatos", lembrou.

Amano explicou que o trabalho de tarefa de supervisão inclui a emissão de relatórios trimestrais.

"Não é minha função determinar se houve violações do acordo ou não. É assunto deles (os países-membros) decidir se houve uma violação. Nós continuaremos a ser uma organização multilateral objetiva e imparcial de verificação", frisou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos