OEA pede que Haiti complete processo eleitoral e condena violência

Washington, 23 jan (EFE).- A missão de observação eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA) no Haiti pediu neste sábado a todos os atores políticos que completem o processo eleitoral suspenso ontem, ao mesmo tempo que condenou os atos de violência registrados no país caribenho.

Em comunicado, a missão pediu "um diálogo pactuado e construtivo para superar a atual crise política e completar o processo eleitoral".

A OEA, com sede em Washington, se pronunciou neste sentido depois que o Conselho Eleitoral Provisório (CEP) cancelou o segundo turno das eleições presidenciais previstas para este domingo alegando "razões de segurança".

Durante a última semana, que esteve marcada pelas manifestações convocadas pela oposição contra as eleições, foi ventilado um adiamento após a renúncia do candidato opositor, Jude Celestin, pela suposta parcialidade do órgão eleitoral.

No entanto, o presidente do Governo, Michel Martelly, tinha dito que sua intenção era seguir adiante com a convocação do pleito neste domingo e que projetava entregar o poder "de maneira constitucional".

Por enquanto, se desconhece a nova data do pleito presidencial, embora em 7 de fevereiro Martelly deve entregar o poder.

A missão da OEA condenou "energicamente" os atos de violência no país, "incluindo os episódios que afetaram diretamente os observadores da OEA durante seu desdobramento".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos