Parceiros da coalizão de Merkel voltam a atacar política de refugiados

(Acrescenta declarações de Merkel).

Berlim, 26 jan (EFE).- Os parceiros bávaros da chanceler alemã, Angela Merkel, membros da grande coalizão de Berlim, deram nesta terça-feira mais um passo em suas críticas à política de refugiados e exigiram por escrito uma mudança nessa gestão, sob a ameaça de recorrer ao Tribunal Constitucional.

"A carta de Horst Seehofer (líder da União Social-Cristã, CSU, da Baviera) é um anúncio de ruptura de coalizão", afirmou à imprensa o chefe do grupo parlamentar do Partido Social-Democrata (SPD), Thomas Oppermann, em representação do terceiro partido da grande coalizão.

"A CSU tem que decidir se quer estar na oposição ou no governo", reforçou o dirigente social-democrata.

A carta, aprovada pela executiva regional da Baviera onde a CSU governa com maioria absoluta e assinada pelo chefe desse agrupamento, pede uma proteção mais eficaz das fronteiras alemãs e o estabelecimento de um teto máximo de 200.000 refugiados por ano, seguindo o exemplo da Áustria.

Merkel rejeitou em várias ocasiões essa proposta por considerar que o direito de asilo não pode ter limites numéricos e, cética perante soluções nacionais à crise dos refugiados, segue apostando em uma resposta internacional e europeia.

Em reunião a portas fechadas com os deputados do grupo conservador, a chanceler e presidente da União Democrata -Cristã (CDU) pediu a todos para cerrar fileiras e mostrar coesão perante um desafio de tanta relevância como a acolhida de refugiados.

"Vamos demonstrar que somos capazes de resolver estes problemas, para não ocasionar danos graves à Europa", declarou Merkel, segundo participantes da reunião citados pela imprensa alemã.

"Quando em uma relação já não se pode falar se começam a escrever cartas e, quando se esgotam as cartas, é hora de ir aos tribunais", ressaltou Oppermann em referência às fendas abertas entre os parceiros conservadores da grande coalizão.

O grosso dos refugiados que chega à Alemanha, que recebeu em 2015 cerca de 1,1 milhão de solicitantes de asilo, entra através da Baviera, fronteiriça com a Áustria.

A CSU se opõe há semanas à política de refugiados da chanceler e, além disso, conta com o respaldo dos setores mais conservadores da CDU de Merkel.

Oppermann pediu a Merkel que ponha ordem em suas fileiras e criticou que na bancada conservadora surjam permanentemente vozes que propõem saídas à crise contrárias à política projetada pela chanceler.

A última iniciativa nesse sentido foi formulada pela chefe da CDU na Renânia-Palatinado, Julia Klöckner, vice-presidente do partido em nível federal, que propôs a criação de centros de amparada nas fronteiras, onde pudesse haver deportações imediatas para os que não tenham direito a asilo.

Além disso, Klöckner, que já está envolvida com as eleições regionais em março, sugeriu criar contingentes diários, segundo a capacidade de amparada que haja nesse momento nos municípios alemães.

O dirigente social-democrata advertiu que as atuais vozes discrepantes representam um alento aos partidos de extrema-direita, que insistem em acusar o governo de inoperância na crise dos refugiados.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos