Parlamento dinamarquês vota hoje lei que permite confiscar bens de refugiados

Em Copenhague

  • Bjorn Lindgren/AP

    4.jan.2016 - Seguranças verificam documentos de passageiros em uma estação de trem em Copenhague, na Dinamarca

    4.jan.2016 - Seguranças verificam documentos de passageiros em uma estação de trem em Copenhague, na Dinamarca

O Parlamento da Dinamarca votará e, possivelmente aprovará, nesta terça-feira (26) um projeto de lei que inclui polêmicas medidas como confiscar dinheiro e objetos de valor dos refugiados para custear a estadia e limitar o reagrupamento familiar.

A proposta do governo liberal conta com o apoio de seus três aliados de centro-direita e do Partido Social-Democrata, principal força opositora, que somam quase três quartos da Câmara.

A reforma da Lei de Estrangeiros, que inclui 30 medidas, esteve rodeada de controvérsia desde sua apresentação em novembro, o que obrigou o governo a mudar duas vezes a legislação sobre confiscos, uma prática já empregada na Suíça e os Estados federados alemães da Baviera e de Baden-Württemberg.

A proposta final exclui objetos "de valor afetivo especial" e triplica em até 10 mil coroas dinamarquesas (quase R$ 6 mil) o valor mínimo de outros pertences e de dinheiro que podem ser confiscados.

O Instituto para os Direitos Humanos, a Anistia Internacional e associações de advogados denunciaram o endurecimento ao reagrupamento familiar, que poderia violar as convenções europeias, "risco" admitido pela ministra de Integração dinamarquesa, Inger Stojberg.

Ela defendeu que mudar as regras é um método para reduzir o fluxo migratório também usado por outros países e ontem reiterou essa posição em um debate - do qual também participou o titular das Relações Exteriores dinamarquês, Kristian Jensen - na Comissão de Liberdades Civis, Justiça e Interior do Parlamento Europeu (PE).

"Queremos recorrer às mesmas normas impostas aos cidadãos dinamarqueses que têm uma dívida com o Estado ou com uma pessoa privada", argumentou a ministra.

A Comissão Europeia (CE) afirmou que o confisco de bens dos solicitantes "só é compatível" com a legislação internacional se for "proporcional e necessário", e ressaltou que a Dinamarca tem a obrigação de cumprir, embora mantenha uma exceção à política comunitária em assuntos de Justiça e Interior.

A Dinamarca, que no início do ano implantou controles provisórios nas fronteiras, recebeu 21 mil solicitantes de asilo em 2015.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos