Navios da Otan iniciarão vigilância no mar Egeu imediatamente

Bruxelas, 11 fev (EFE).- O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, anunciou nesta quinta-feira que o agrupamento naval permanente número dois, em missão no Mediterrâneo, se deslocará "sem demora" ao mar Egeu para iniciar os trabalhos de vigilância do trânsito de refugiados, após o pedido de Alemanha, Turquia e Grécia.

"Acabamos de concordar que a Otan dará apoio para assistir na crise de imigrantes e refugiados", disse Stoltenberg em entrevista coletiva no segundo dia de uma reunião de ministros de Defesa da Aliança.

Ele afirmou que esses navios da Otan, atualmente sob comando alemão, trabalharão em cooperação com as guardas-costeiras grega e turca e com a Frontex, a agência de controle de fronteiras exteriores da União Europeia (UE).

O político norueguês afirmou que o objetivo é "participar dos esforços internacionais para conter o trânsito ilegal e a imigração ilegal no Mediterrâneo".

O agrupamento naval permanente número dois da Otan, que já está na região, "será responsável por fazer o reconhecimento, o monitoramento e a vigilância dos cruzamentos ilegais do mar Egeu, em cooperação com as autoridades relevantes, e estabelecer um vínculo direto com a Frontex".

"Como parte do acordo, as forças armadas da Turquia e da Grécia não operarão nas águas territoriais um do outro", acrescentou.

O comandante supremo da Otan para a Europa (SACEUR), o general americano Philip Breedlove, "está orientando agora esse grupo marítimo a se deslocar ao Egeu sem demora para começar atividades de vigilância marítima".

"Nossas autoridades militares trabalharão nos detalhes o mais rápido possível", indicou.

Stoltenberg, que explicou que esta iniciativa não estará focada em "deter ou fazer retornar as embarcações dos refugiados, mas em contribuir com informação crítica e vigilância para ajudar a combater o tráfico de seres humanos e as redes criminais".

Além disso, Stoltenberg confirmou que decidiram "intensificar a inteligência, a vigilância e o reconhecimento na fronteira turco-síria".

"A Turquia está na primeira linha desta crise", indicou, acrescentando que estes esforços complementam as medidas definidas pela Otan em dezembro para dar segurança a esse país.

Este agrupamento naval é formado por três navios (turco, alemão e canadense), embora vários aliados já tenham anunciado que estão dispostos a reforçar sua composição.

O chefe do Pentágono, Ashton Carter, disse hoje que recomendou ao Conselho do Atlântico Norte dar as autoridades militares da Otan "diferentes opções de atuação, que serão revisadas pelo Comitê Militar e levadas outra vez ao Conselho".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos