ONU condena ataques a hospitais e escolas da Síria que deixaram 50 mortos

Nações Unidas, 15 fev (EFE).- O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou nesta segunda-feira o ataque com mísseis contra pelo menos cinco edifícios médicos e duas escolas na Síria, com um saldo de cerca de 50 mortos, incluindo crianças.

Por meio de um de seus porta-vozes, Farhan Haq, Ban disse estar "profundamente preocupado" pelos relatórios sobre estes ataques, que qualificou como uma "descarada violação das leis internacionais".

Os ataques, segundo informou na entrevista coletiva diária o porta-voz da ONU, ocorreram nas províncias de Aleppo e Idlib. Haq destacou que o número de vítimas procedia de distintas fontes, inclusive o Unicef.

Embora tenha ressaltado não ter informação adicional sobre quem está por trás destes ataques, ativistas sírios e ONGs responsabilizaram a aviação russa e forças do governo sírio, presidido por Bashar al Assad.

Segundo o porta-voz da ONU, estes ataques têm graves consequências para o sistema médico e educativo na Síria, que já vem sofrendo o desgaste pelo conflito bélico que explodiu nesse país em 2011.

Além disso, estas ações "obscurecem" os resultados da reunião sobre o processo de paz na Síria alcançados no último dia 11 de fevereiro em Munique, acrescentou o porta-voz.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos