Egito e Jordânia condenam atentado de Ancara e pedem combate ao terrorismo

Cairo/Amã, 18 fev (EFE).- Os governo de Egito e Jordânia condenaram nesta quinta-feira o atentado de ontem à noite em Ancara contra um comboio militar, que causou 28 mortos, e pediram à comunidade internacional pra aumentar a luta antiterrorista.

O Ministério das Relações Exteriores egípcio pediu "união para enfrentar o terrorismo que quer solapar a estabilidade dos povos de todo o mundo sem exceção".

Em comunicado, o ministério transmitiu seus pêsames ao povo turco e aos familiares das vítimas.

O governo jordaniano expressou sua solidariedade com o povo e as autoridades turcas na luta contra "o terrorismo cego".

"A Jordânia rejeita todas as formas de violência e terrorismo, e pede para se intensificar os esforços para enfrentar o pensamento extremista e o terrorismo", disse o porta-voz do Executivo, Mohammed Momani, segundo a agência oficial "Petra".

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e o primeiro-ministro, Ahmet Davutoglu, responsabilizaram a milícia curdo-síria Unidades de Proteção do Povo pelo atentando, que rejeitou qualquer envolvimento com o fato.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos