Grupo guerrilheiro curdo assume ataque com 28 mortos em Ancara

Istambul, 19 fev (EFE).- Um grupo guerrilheiro curdo, conhecido como "Falcões da Liberdade do Curdistão" (TAK, sigla em curdo), reivindicou nesta sexta-feira a autoria do ataque contra um comboio militar em Ancara que causou 28 mortes na quarta-feira passada.

"Batemos no coração do fascista Estado turco", afirma um comunicado do grupo, divulgado no site do Tak, grupo considerado a cisão mais radical do Partido dos Trabalhadores de Curdistão (PKK), proscrito pela Turquia.

A nota identifica o autor suicida da ação como Abdulbaki Sönmez, com o "nome de guerra" de Zinar Raperin, nascido em Van, na Turquia, em 1989.

O grupo nega assim a teoria do governo de Ancara de que o agressor fosse sírio. As autoridades turcas quiseram atribuir a autoria do atentado às milícias curdas da Síria, as YPG, fato negado pela parte acusada.

Em comunicado, o TAK afirma que o ataque foi cometido "como vingança pelo sanguinário massacre de civis em um porão de Cizre", cidade do sudeste da Turquia onde o exército luta há meses contra jovens guerrilheiros curdos.

"Os combatentes do TAK seguirão semeando medo no coração do inimigo em todas partes", assegura a nota, na qual a Turquia é classificada como "ditadura fascista".

O TAK reivindicou vários ataques e atentados contra civis turcos desde 2004, apesar de ainda se saber muito pouco sobre as estruturas ou fins deste grupo.

Muitos analistas consideram o TAK simplesmente uma "marca subsidiária" do PKK, utilizada para reivindicar atentados que poderiam dar imagem ruim desta guerrilha, especialmente quando há morte de civis.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos