Trump comemora vitória na Carolina do Sul com seus eleitores

Washington, 20 fev (EFE).- O empresário Donald Trump comemorou neste sábado com seus eleitores após ter vencido uma cômoda vitória nas primárias da Carolina do Sul e disse que "não é nada fácil ser candidato a presidente".

"Não é nada fácil ser candidato a presidente, é ruim, é desagradável, é cruel, mas é maravilhoso", disse Trump ao confirmar sua vitória com 32,9% contra 22,4% dos votos do senador pela Flórida Marco Rubio, seu mais imediato seguidor.

Acompanhado de sua esposa Melania e de sua filha Ivanka, na última etapa de sua gravidez, o empresário agradeceu a seus eleitores e parabenizou o senador pelo Texas Ted Cruz e o da Flórida Marco Rubio "pelo bom trabalho que fizeram".

Com 82% dos votos apurados, Rubio, com 22,3% dos votos, disputa o segundo lugar com Cruz, com 21,7%, sem que haja ainda um claro ganhador entre eles.

Em seu discurso, Trump não fez referência direta ao anúncio que pouco antes tinha feito o ex-governador pela Flórida Jeb Bush que estava se retirando da corrida presidencial, devido aos maus resultados obtidos em Iowa, New Hampshire e o de hoje na Carolina do Sul, nos quais nunca chegou a obter 10%.

Trump teve claramente muito a ver com os maus resultados de Bush, que era favorito no começo da corrida presidencial e que o empresário nova-iorquino se encarregou de ir afundando com suas constantes brincadeiras, ataques e acusações de não ter energia suficiente para se tornar presidente.

Ovacionado por seus eleitores, Trump voltou a gritar uma das frases que transformou em lema de sua campanha: "Vamos construir o muro (na fronteira com o México), e quem vai pagá-lo?", para que seus eleitores dissessem em uníssono: "México".

Desde o começo de sua campanha Trump teve na luta contra a imigração irregular um dos cavalos de batalha que lhe trouxe mais apoio no interior dos EUA.

Em seu discurso também mencionou outro de seus temas favoritos, a liberdade de possuir armas, em contraposição da política de controle sobre a venda de armas que se esforça para levar adiante o presidente democrata Barack Obama.

"Vamos proteger nossa segunda emenda", afirmou sobre o preceito legal que defende a liberdade a possuir armas nos EUA.

Criticado por se referir sempre aos mesmos temas em seus discursos o multimilionário desta vez mencionou a educação e disse que vai fomentá-la "em nível local".

"Neste país dedicamos mais dinheiro à educação por pessoa que em qualquer outro lugar do mundo", afirmou, e "amamos nosso Exército, e também nossa Polícia", finalizou Trump.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos