Advogado de Lula nega destruição de provas

São Paulo, 4 mar (EFE).- O advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cristiano Zanin, negou que tenham sido destruídas provas antes das operações de busca e apreensão realizadas nesta sexta-feira pela Polícia Federal (PF) em residências vinculadas ao político e sua família.

"Jamais houve tentativa ou destruição de provas", disse Zanin em entrevista coletiva na sede do PT e realizada após um pronunciamento de Lula à imprensa.

A Polícia Federal disse que, apesar do sigilo em torno da investigação, a informação sobre a operação realizada hoje sofreu um vazamento, e já estavam inteirados sobre ela tanto o PT como os familiares de Lula.

Por ordem do juiz Sergio Moro, a PF levou Lula ao aeroporto de Congonhas para cumprir um mandado de condução coercitiva e fez busca e apreensão em residências dele, de seus familiares e colaboradores, como parte da 24ª fase da operação Lava Jato, que investiga um grande esquema de corrupção na Petrobras .

O advogado disse que solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que suspenda as diligências da polícia até que a corte decida sobre um conflito de competências relativo ao caso.

A investigação sobre o suposto envolvimento de Lula no caso se desenvolve de forma paralela no Tribunal de Justiça de São Paulo e na Justiça Federal de Curitiba.

Segundo a defesa do ex-presidente, como se trata dos mesmos fatos investigados, eles não podem ser julgados em duas instâncias diferentes, por isso o Supremo deve decidir qual é o tribunal competente.

"Vamos tomar todas as medidas juridicamente possíveis para que o princípio de segurança jurídica seja respeitado. Queremos que toda a sociedade saiba que há Constituição, que há lei", afirmou o advogado.

Zenin também disse que a operação policial violou as regras do processo penal e "o princípio de dignidade humana" consagrado na Constituição.

A ordem judicial, assinada pelo juiz federal Sergio Moro, justifica a ordem de levar Lula para depor como uma medida para evitar possíveis "tumultos" causados por "militantes políticos".

"A justificativa foi assegurar a segurança do presidente. É um fundamento tão pouco profundo que se fosse aplicado a qualquer outro cidadão, ele preferiria ficar em casa em risco", disse Zenin.

Segundo o advogado, nas três horas de depoimento de Lula à Polícia, não foi feita nenhuma pergunta nova que já não tivesse sido respondida previamente à Justiça de forma espontânea.

Zenin declarou ainda que a Polícia Federal não perguntou sobre a suposta declaração que teria sido feita pelo senador Delcídio do Amaral (PT-MS) em delação premiada incriminando Lula no caso.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos