Ataque contra asilo de idosos mata 16 mortos em Áden, no Iêmen

Sana, 4 mar (EFE).- Pelo menos 16 pessoas morreram nesta sexta-feira em um ataque armado contra um grupo de desconhecidos contra um asilo para idosos na cidade iemenita de Áden, informou à Agência Efe uma fonte de segurança.

Os mortos são segurança do asilo, 11 idosos e quatro enfermeiras que trabalhavam no asilo, acrescentou a fonte.

Pelo menos cinco encapuzados entraram no lar de idosos e dispararam de forma indiscriminada uma rajada de balas com fuzis automáticos antes de fugir do local.

Os agressores aproveitaram que a rua estava sem transeuntes, devido à coincidência com a oração muçulmana de sexta-feira, para perpetrar seu massacre e depois fugir, acrescentou a fonte.

Por outro lado, fontes médicas disseram à Efe que as quatro enfermeiras mortas são de nacionalidade indiana.

Além disso, a fonte policial indicou que uma quinta enfermeira conseguiu sair ilesa do atentado, já que se escondeu no armazém de remédios.

Alguns dos feridos, cujo número não precisou, estão em estado grave e foram transferidos a cinco hospitais da zona.

A residência, situada no popular bairro de Al Sheikh Ozman al Faquir, pertencia à Fundação Madre Teresa, da Índia, e foi atacada, segundo a fonte de segurança, por extremistas que a acusavam de proselitismo cristão.

Trata-se da segunda agressão sofrida por essa fundação no Iêmen, depois que em julho de 1998 um grupo de homens armados atacou o centro de cuidados para incapacitados na cidade de Al Hodeida, nas margens do Mar Vermelho, onde morreram duas enfermeiras indianas e uma filipina.

Este ataque se une aos cometidos nas últimas semanas contra militares, responsáveis de segurança e autoridades políticas em Áden.

Estes fatos confirmam a deterioração da segurança que afeta esta cidade, escolhida como sede provisória do governo iemenita desde a fuga do presidente Abdo Rabbo Mansour Hadi da capital Sana em fevereiro.

O conflito no Iêmen continua depois que os grupos rivais concluíram suas conversas de paz em 20 de dezembro na Suíça sem chegar a um acordo para um cessar-fogo permanente.

Os rebeldes houthis lançaram uma ofensiva em setembro de 2014 e controlam grande parte do país, incluída a capital, apesar de desde março de 2015 uma coalizão árabe, liderada pela Arábia Saudita, bombardear suas posições em respaldo a Hadi.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos