Hungria declara "estado de crise" em todo país por imigração

Budapeste, 9 mar (EFE).- O governo da Hungria declarou nesta quarta-feira "estado de crise por imigração" em todo o país e reforçará a defesa das fronteiras no sul, anunciou hoje à imprensa em Budapeste o ministro do Interior, Sandor Pinter.

O ministro lembrou que Eslovênia, Sérvia e Croácia começaram hoje a aplicar restrições fronteiriças para restaurar a legislação Schengen, o que significa que a rota dos Bálcãs está, de fato, fechada aos refugiados.

"Não sabemos como reagirão os imigrantes que ainda estão nesses países", acrescentou Pinter, ao explicar a medida.

Por outro lado, o ministro reiterou que o governo se preparou para levantar uma cerca na fronteira com a Romênia, se os refugiados optarem por atravessar o país para entrar na Hungria e, assim, na zona de livre circulação de Schengen.

As autoridades mobilizarão centenas de soldados e policiais nas fronteiras e "aumentarão as capacidades de reação", explicou Pinter.

Em estados de crise, que podem durar até seis meses e ser prolongados depois, o Estado pode intensificar os controles fronteiriços, e a polícia e o exército assumir as tarefas de registrar os solicitantes de asilo.

O "estado de crise" já foi anunciado nas províncias do sul do país em meados do segundo semestre do ano passado, e imediatamente depois a Hungria fechou sua fronteira com a Sérvia e com a Croácia com cercas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos