EUA e Canadá reduzirão emissões de metano para combate à mudança climática

Washington, 10 mar (EFE).- Estados Unidos e Canadá chegaram a um entendimento nesta quinta-feira para reduzirem as emissões de metano de suas indústrias de petróleo e gás em até 45% até 2025, dentro de um pacote de medidas conjuntas para combater a mudança climática.

Os dois governos emitiram um comunicado, divulgado pela Casa Branca, durante a visita de Estado que o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, faz aos EUA. Hoje, ele vai se reunir com o presidente americano, Barack Obama.

"Canadá e Estados Unidos trabalharão juntos para implementar o histórico acordo de Paris" (sobre mudança climática, firmado em dezembro do ano passado) e se comprometem a se unir a esse pacto e assiná-lo "o mais breve possível", segundo o comunicado.

Além disso, os dois países se comprometem a reduzir suas emissões de metano, um gás de efeito estufa de longa duração, em até 45% até 2025 em relação aos níveis de 2012.

Para atingir esse objetivo, a agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA, na sigla em inglês) começará a desenvolver "imediatamente" novas regulações para as emissões de metano procedentes da indústria petrolífera e de gás.

Por sua vez, a agência canadense para mudança climática e meio ambiente deve divulgar a fase inicial de sua proposta de regulações para as emissões de metano no início de 2017.

Além disso, as duas nações vão manter os esforços conjuntos para "acelerar" o desenvolvimento de energias limpas.

EUA e Canadá querem impulsionar sua cooperação energética após as desavenças sobre a construção do polêmico oleoduto Keystone.

Em novembro do ano passado, Obama anunciou sua rejeição à construção desse oleoduto, um projeto da empresa TransCanada pensado para transportar petróleo do Canadá ao Texas e que foi muito criticado pelas organizações de defesa do meio ambiente.

Quanto ao Ártico, no comunicado conjunto os dois governos reafirmam a meta de proteger pelo menos 17% de suas áreas terrestres e 10% das marinhas até 2020.

Trudeau chegou ontem a Washington para realizar a primeira visita de Estado de um governante canadense aos EUA em quase 20 anos, e que inclui uma reunião com Obama, um almoço com o secretário de Estado, John Kerry, e um jantar de gala na Casa Branca.

Além de debaterem a luta contra a mudança climática e a campanha contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI), Obama e Trudeau devem falar também sobre a assinatura de um novo acordo de fronteira que permita agilizar o fluxo de mercadorias entre os dois países e melhorar a segurança.

Trudeau busca também um novo acordo para as exportações de madeira aos EUA, já que o último expirou em outubro de 2015.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos