Crise dos sem-teto alcança nível alarmante em San Francisco

San Francisco, 13 mar (EFE).- A situação dos sem-teto alcançou um nível crítico em San Francisco, que estuda declarar o estado de emergência diante da falta de centros para receber as milhares de pessoas que vivem nas ruas.

À frente da campanha está David Campos, advogado e membro da Junta de Supervisores da Prefeitura de San Francisco, o órgão legislativo local.

Campos apresentou na terça-feira um projeto de lei para declarar "uma crise" em San Francisco e destinar recursos públicos à construção de novos centros para desemparados.

Essa iniciativa foi seguida por outra da supervisora Jane Kim, que pediu ao governador da Califórnia, Jerry Brown, a declaração do estado de emergência em nível estadual.

O Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano dos EUA informa em seu último relatório sobre os sem-teto, divulgado em novembro do ano passado, que o número de pessoas sem moradia caiu 11% desde 2007 e beira 500 mil pessoas.

A situação na Califórnia é diferente, por ser um dos 17 estados nos quais se elevou o número de pessoas sem-teto, com o maior aumento após Nova York no último ano.

O estado da costa oeste também tem o maior número de pessoas sem-teto no país, mais de 100 mil, o equivalente a 21% do total, e a maior quantidade de desemparados sem acesso a albergues, 64%, segundo os dados oficiais.

A situação em San Francisco também piorou, com cerca de 7 mil pessoas sem-teto, entre as quais 3 mil vivem permanentemente na rua, segundo Campos, que não alcançou convencer o prefeito, Ed Lee, a apoiar sua proposta.

Lee recusou a iniciativa apenas quatro horas depois de Campos propor à legislação. Segundo o prefeito, o projeto "não oferece soluções, nem novas alianças filantrópicas, nem novos lugares para centros voltados a pessoas sem-teto, nem um caminho para a frente".

Para Lee, a proposta de Campos, que é apoiada por seis dos 11 membros da Junta de Supervisores da Prefeitura - que ainda não votou -, é simplesmente "retórica e rebuscada".

Campos afirmou em carta aberta na sexta-feira que os habitantes de San Francisco estão "desesperados e furiosos" com a falta de iniciativas para resolver o problema.

O advogado lembrou que prefeitos de outras cidades da costa oeste do país, como Los Angeles, Oakland, Portland e Seattle, pediram que seja declarado o estado de emergência para garantir assim recursos para a construção de novos albergues.

A crise dos sem-teto em San Francisco, cidade que viu disparar o custo da moradia, foi alvo de um acalorado debate no mês passado, quando o jovem programador e empreendedor Justin Keller pediu ao prefeito soluções para o assunto.

Na solicitação feita em seu site, Keller lamentou ter vivido vários episódios desagradáveis causados pelos sem-teto quando seus pais e sua namorada o visitaram pela comemoração do dia de São Valentim.

"A cidade está se transformando em uma vila de miséria e, para piorar, é insegura", disse o desenvolvedor, que reconhecia em sua carta as queixas da população pelo encarecimento do custo de vida, mas defendia o direito das pessoas com dinheiro a viver em San Francisco.

"Não deveríamos ter que ver a dor, a luta e o desespero dos sem-teto a cada dia a caminho do meu trabalho. Quero que meus pais tenham uma grande experiência quando vierem e aproveitem este lugar especial", afirmou.

A carta desencadeou uma avalanche de críticas a Keller, acusado de falta de sensibilidade e arrogância e apontado como também culpado, assim como a indústria tecnológica que representa, pela cada vez mais grave crise na cidade californiana.

O debate voltou a se intensificar com a iniciativa de Campos e promete continuar nos próximos meses.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos