Curdos aprovam criação de sistema federal no norte da Síria

Beirute, 17 mar (EFE).- Cerca de 150 responsáveis curdos e de outras comunidades que habitam na autoproclamada administração autônoma curdo-síria aprovaram nesta quinta-feira a criação de um sistema federal em reunião na cidade de Romeilan, na província nordeste síria de Al Hasaka.

Um dos presentes ao encontro, Adbel Salam Saleh, dirigente do Movimento de Sociedade Democrática, disse à Agência Efe por telefone que os participantes votaram hoje favoravelmente à formação de uma região federal dentro da Síria e antecipou que esta será proclamada oficialmente ao término da reunião.

Saleh explicou que o sistema federal será implantado nos enclaves curdo-sírios da "Al Jazeera", em Al Hasaka; Kobani e Afrin, na província setentrional de Aleppo; e Kuri Sabi (Tel Abiad em árabe), no norte da província nordeste de Al Raqqa.

A nova entidade federal será denominada "Royava e norte da Síria", em alusão ao Curdistão sírio, que os curdos chamam de "Royava".

Saleh destacou que à reunião no sindicato dos trabalhadores de Romeilan, que começou na quarta-feira, não só estiveram presentes representantes curdos, mas também de outros grupos étnicos que vivem nas áreas da administração interina curdo-síria, como árabes, turcomanos e armênios, entre outros.

O responsável do Movimento de Sociedade Democrática, que é uma das principais partidos políticos em Royava, fundado pelo Partido da União Democrática (PYD, por sua sigla em curdo) adiantou que antes do termo do encontro será eleito um órgão executivo para o sistema federal.

Dito órgão será composto por "31 homens e mulheres" e sua missão será constituir ao longo dos próximos seis meses as instituições necessárias para estabelecer o sistema federal, acrescentou.

Este passo coincide com negociações de paz em Genebra entre uma delegação do governo sírio e a Comissão Suprema para as Negociações (CSN), o mais importante agrupamento opositora.

A este diálogo, apoiado pela ONU, não foi convidado o PYD -que é a principal formação política curdo-síria- pelas ameaças da Turquia de boicotar a conferência de paz.

Ontem, o chefe negociador da delegação governamental, Bashar al Jaafari, rejeitou na cidade suíça qualquer tentativa contra a integridade territorial do país.

Antes do início da guerra na Síria, que no último dia 15 entrou em seu sexto ano, os curdos representavam 9% dos habitantes do país. EFE

ssa/ff

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos