Ataques da coalizão em Aleppo matam 13 jihadistas e 4 prisioneiros

Cairo, 7 abr (EFE).- Ao menos 13 membros do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) e quatro de seus prisioneiros morreram nesta quinta-feira em ataques aéreos da coalizão internacional, liderada pelos Estados Unidos, na província de Aleppo, no norte da Síria.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos informou que os bombardeios tiveram como alvo zonas da cidade que estão sob o controle do EI no nordeste de Aleppo e perto do Rio Eufrates.

Os prisioneiros foram atingidos quando escavavam trincheiras nos arredores da cidade, um castigo imposto pelo EI. Os presos - civis e combatentes de grupos rivais ao EI - são obrigados a escavar com o objetivo de proteger a cidade de um possível ataque.

No final de março, o Observatório revelou que a "polícia do Estado Islâmico", conhecida como "Hisbah", estava transferindo presos das cidades de Al Raqqa, Al Bab e Menbesh à Allepo. A mudança aconteceu depois que os terroristas receberam a informação de que as Forças da Síria Democrática (aliança árabe-curda inimiga do EI) se preparavam para lançar uma ofensiva no local.

Atualmente, está vigente um cessar-fogo na Síria aceito pelo governo de Damasco e a Comissão Suprema para as Negociações (CSN), principal aliança opositora, da qual o EI não faz parte.

Ontem à noite, o grupo terrorista promoveu vários ataques à cidade de Al Dumayr, na periferia de Damasco, contra as forças do regime e contra uma fábrica de cimento. Dezenas de operários estão desaparecidos desde então, segundo o Observatório, provavelmente por terem sido sequestrados pelo EI.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos