Rússia justifica venda de armas para Armênia e Azerbaijão

Moscou, 9 abr (EFE).- A Rússia, criticada recentemente por vender armas a Armênia e Azerbaijão, que se enfrentam pelo enclave de Nagorno Karabakh, argumentou neste sábado que esta atividade a permite controlar as capacidades armamentistas dos dois vizinhos, considerados parceiros estratégicos de primeiro nível.

"Se a Rússia renunciar a este papel, comprarão armas de outros países e a mortalidade não será menor. No entanto, há o risco de se perder o equilíbrio existente porque nós conhecemos a demanda de nossos parceiros e sabemos como está a situação na região", disse o primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, em entrevista divulgada hoje pela televisão russa.

O chefe do governo russo afirmou que "a chegada de outros países a esse mercado de fornecimento de armas", em vez de relaxar, "complicará ainda mais a situação".

"Acho que as armas podem ser compradas não só para serem usadas, mas para servirem como um fator de contenção que precisa ser levado em conta por todas as partes do conflito", acrescentou.

Mais de cem pessoas, entre armênios e azerbaijanos, morreram na última semana em combates por Nagorno Karabakh, os mais violentos desde o fim da sangrenta guerra pelo controle do enclave armênio entre os dois países de 1992 a 1994.

Apesar do cessar-fogo decretado na terça-feira passada após três dias de combates, os dois lados se acusaram novamente neste sábado de violar a cessação de hostilidades.

A Rússia põe um grande empenho em tentar esfriar a situação em Nagorno Karabakh e evitar a todo custo que as duas antigas repúblicas soviéticas em conflito pelo enclave entrem em guerra. No entanto, parece difícil devolver o conflito ao estado de congelamento no qual permaneceu durante as últimas duas décadas.

O presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, já deixou claro que seu governo considera inaceitável manter o atual status quo, no qual as tropas armênias controlam, além de Nagorno Karabakh, uma faixa de segurança que representa 20% de seu território.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos