Jordânia retira embaixador de Teerã por ingerência iraniana na região

Amã, 18 abr (EFE).- O governo jordaniano chamou nesta segunda-feira para consultas seu embaixador em Teerã, Abdullah Abu Roman, em protesto pela ingerência iraniana nos assuntos internos dos países árabes, sobretudo no Golfo Pérsico.

O porta-voz do governo jordaniano, Mohammed Momani, explicou hoje que a decisão foi adotada após "avaliar" a atitude do Irã que, segundo sua opinião, "provoca crise e aprofunda a instabilidade na região".

Segundo um comunicado divulgado pela agência oficial Petra, esta atitude é contrária ao "princípio ds boa vizinhança".

Esta medida representa um problema na relação da Jordânia com o Irã, que tinha melhorado nos últimos anos.

Parece ser a consequência da recente reunião entre o monarca jordaniano Abdullah II e o segundo príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, na cidade jordaniana de Ácaba.

Ambos líderes sublinharam em 11 de abril que a "interferência" do Irã nos assuntos árabes "alimenta o terrorismo e as divisões sectárias".

Em 6 de janeiro, o Ministério jordaniano de Relações Exteriores convocou o embaixador iraniano em Amã, Mustafa Moslehzadeh, para transmitir a condenação do governo jordaniano aos ataques às sedes diplomáticas sauditas no Irã.

A embaixada saudita em Teerã e o consulado na cidade de Mashhad foram atacados por manifestantes iranianos, depois que as autoridades sauditas executaram no começo do ano o proeminente clérigo xiita Nimr Baqir al Nimr e outras 46 pessoas.

Arábia Saudita, Bahrein e Sudão cortaram então suas relações diplomáticas com o Irã, enquanto que os Emirados Árabes Unidos e Kuwait retiraram seus embaixadores.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos