Rei Felipe 6º diz que Espanha não tem candidato com maioria para governar

Em Madri

  • Andrea Comas/Reuters

O rei Felipe 6º constatou nesta terça-feira (26) que a Espanha não tem um candidato que possa ser proposto para ser presidente do governo, já que nenhum teria maioria no Congresso, o que abre as portas para a realização de eleições dentro de dois meses.

Após dois dias de reuniões com os líderes parlamentares, o monarca convocou o presidente do Congresso, Patxi López, para lhe informar sobre o resultado dessas consultas, que terminaram sem candidato viável à chefia do governo, informou a Casa Real em comunicado.

"Não existe um candidato que conte com os apoios necessários", afirma a nota.

Segundo os prazos estabelecidos na Constituição para a possibilidade de o Congresso ser incapaz de escolher um chefe de governo, o parlamento seria dissolvido em 2 de maio, e o pleito seria realizado em 26 de junho, apenas seis meses após o último, que foi realizado em 20 de dezembro do ano passado. Trata-se de uma situação inédita desde que a democracia foi reinstaurada no país, em 1977.

Neste período, o governo foi interino, sob comando do Partido Popular, que já estava no poder.

A rodada de consultas que terminou hoje foi a terceira do rei com os dirigentes políticos, e de todas elas só saiu (na segunda) o nome do socialista Pedro Sánchez.

O candidato do PSOE foi derrotado nos primeiros dias de março em duas votações no Congresso, já que só obteve o apoio de 131 deputados em uma câmara de 350.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos