Refugiada somali ateia fogo em cima mesma em centro de detenção de Nauru

Sydney (Austrália), 2 mai (EFE).- Uma refugiada somali ateou fogo em si mesma nesta segunda-feira, em protesto pelas condições do centro australiano em que está retida na ilhas Nauru, no Pacífico Sul, no segundo caso da mesma natureza em menos de uma semana.

A jovem somali está em estado crítico e é uma das refugiadas que retornaram ao centro na semana passada após receber tratamento médico, segundo a emissora australiana "ABC".

O Departamento de Imigração da Austrália confirmou o incidente e detalhou que ela foi atendida em um centro ambulatório.

No último dia 27, o iraniano Omid Masoumali ateou fogo em si mesmo pelos mesmos motivos, na frente de três representantes do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) que visitavam o centro. Ele morreu dois dias depois.

Não é a primeira vez que imigrantes retidos nesse lugar se autolesionam ou tentam fazê-lo em protesto pelo tratamento que recebem.

O Acnur critica há muito tempo as condições "desumanas" dos centros de detenção que a Austrália mantém em Nauru e Papua Nova Guiné, em uma política que Canberra iniciou em 2001 para desviar a terceiros países o crescente fluxo de "imigrantes ilegais" que tentavam alcançar a costa australiana.

Muitas destas pessoas que viajam à Austrália fogem de conflitos como os de Afeganistão, Darfur, Paquistão, Somália e Síria, e outros escapam da discriminação, como as minorias rohinya, de Mianmar, e bidun, da região do Golfo Pérsico.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos