Paquistão confirma encontro com talibãs afegãos para abordar processo de paz

Islamabad, 3 mai (EFE).- O Paquistão confirmou nesta terça-feira que teve na semana passada contatos com uma delegação dos talibãs afegãos para discutir o processo de paz no Afeganistão, paralisado desde 2015 e que, segundo as autoridades paquistanesas, levará tempo para ser retomado.

"Foram contatos exploratórios", disse Shartaj Aziz, assessor das Relações Exteriores do primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, em um encontro com os jornalistas em Islamabad.

Aziz indicou que os membros do Grupo a Quatro (G4) formado por Estados Unidos, China, Paquistão e Afeganistão, que buscam um roteiro para pôr fim ao conflito do país que começou em 2001, têm contatos com os talibãs afegãos para retomar as conversas de paz.

"Nós temos contatos (com os talibãs). Os Estados Unidos tem contatos com o escritório do Catar (dos talibãs). A China tem seus próprios contatos. O Alto Conselho da Paz tem seus contatos também", explicou o assessor.

Aziz afirmou que, dada a recusa dos insurgentes a dialogar, o governo afegão recorre a "outras soluções", já que seu país sustenta que a via militar não deu resultados nos últimos 14 anos.

"O processo de paz não poderá ser alcançado em duas ou quatro semanas. Precisa de tempo. Devemos trabalhar nisso, já que não vemos outra alternativa para levar a paz ao Afeganistão", afirmou.

Semana passada veículos de imprensa paquistaneses e afegãos informaram da chegada ao Paquistão de uma delegação de insurgentes afegãos para discutir o processo de paz.

As autoridades paquistanesas afirmaram então não saber disso e os talibãs garantiram que estavam no país vizinho para falar da libertação de presos insurgentes.

As informações sobre o encontro foram reveladas horas depois de o presidente afegão, Ashraf Ghani, expressar sua desesperança com a mediação do Paquistão e ameaçar ir ao Conselho de Segurança da ONU se o Paquistão não tomasse medidas contra os insurgentes que estão em seu território.

O governo afegão e os insurgentes se reuniram em julho do ano passado no Paquistão, o início de um processo que foi interrompido após a divulgação de que o mulá Omar, líder fundador dos talibãs, tinha morrido em 2013.

A formação insurgente, liderada agora pelo mulá Mansur, reiterou mês passado que não participará de conversas de paz a menos que suas reivindicações sejam cumpridas, como o fim da presença de tropas internacionais no Afeganistão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos