Refugiados sírios do "corredor humanitário" de São Egídio chegam a Roma

Roma, 3 mai (EFE).- Os 101 refugiados sírios do segundo "corredor humanitário", a iniciativa da associação católica São Egídio e das igrejas evangélicas, chegaram nesta terça-feira, vindos de Beirute, no Líbano, ao aeroporto de Fiumicino, em Roma, na Itália, onde poderão refazer sua vida após terem passado vários anos em acampamentos ou amontoados em casas.

Trata-se de 37 famílias sírias, algumas delas de cristãos caldeus, e uma iraquiana, que foram selecionadas devido a critérios de "vulnerabilidade" como as graves doenças de seus filhos e por se tratarem de mulheres desacompanhadas.

Durante os últimos meses, a Comunidade de São Egídio se dedicou a selecionar os casos mais graves e este grupo, que se junta aos 93 refugiados que chegaram em fevereiro, se caracteriza pelo grande número de crianças, 44 menores e dez mulheres que viajam sozinhas com seus filhos e netos.

Os refugiados vêm das cidades de Homs, Aleppo, Damasco, Hama e Al Hasaka, a região onde viviam os cristãos sírios e que foi arrasada pelos terroristas do Estado Islâmico (EI), e seus novos destinos serão Turim, Roma, Milão, Florença, mas também pequenas localidades como Terni, Frosinone e Potenza.

Os casos que necessitam de atenção urgente, como o de Layth, o menino de dois meses nascido com espinha bífida, irão para Turim, onde o responsável médico da ONG Mediterranean Hope, que se encarrega junto com a Comunidade de São Egídio da ajuda aos refugiados, conta com a colaboração dos médicos dos hospitais desta cidade italiana.

Mas também a pequena Raghad, de 3 anos, que sofre de talassemia terá que ser internada com urgência, já que não tomou os medicamentos necessários pois ninguém podia pagar por eles.

O avião da companhia Alitalia, que doou as passagens aos refugiados, saiu do aeroporto de Beirute na madrugada desta terça-feira, mas muitos deles tinham deixado ontem de manhã os acampamentos de refugiados onde viviam em Trípoli, a região norte do Líbano.

Durante a chegada, os refugiados terão que passar pelos controles de imigração e entregar toda a documentação para poder transitar legalmente na Itália. Depois, cada um deles tomará um caminho diferente até seus locais de destino.

Segundo a Comunidade de São Egídio, com este projeto e os recursos arrecadados, os refugiados terão até dois anos para se integrar à sociedade europeia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos