Supremo suspende mandato de Eduardo Cunha na Câmara

Brasília, 5 mai (EFE).- Uma liminar expedida pelo ministro Teori Zavascki do Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu nesta quinta-feira o mandato do deputado Eduardo Cunha (PMDB), presidente da Câmara e responsável por aceitar o processo que pode levar ao impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Zavascki fundamentou a liminar nas várias acusações que pesam contra Cunha pelo escândalo de corrupção na Petrobras, pelas quais inclusive já se iniciou um julgamento formal contra ele.

Cunha é o segundo na linha de sucessão do Governo e poderia se tornar o primeiro se o julgamento do impeachment contra Dilma acabar com seu afastamento e ela for substituída pelo vice-presidente Michel Temer a partir da próxima semana.

A possibilidade de Cunha assumir a Presidência de forma interina com uma eventual viagem de Temer ao exterior, no caso deste substituir Dilma, causou preocupação no Supremo, que hoje mesmo tinha previsto analisar essa situação.

No entanto, Zavascki se antecipou e decidiu adotar a liminar, que atendeu um pedido feito pela Procuradoria Geral da República.

Segundo a Procuradoria, Cunha se valeu de seu cargo para "intimidar parlamentares, réus, testemunhas" e outros "agentes públicos" a fim de dificultar as investigações contra si no chamado Petrolão, no qual teria recebido como propina US$ 5 milhões que escondia em contas bancárias secretas no exterior.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos