Abe diz que visita de Obama a Hiroshima "marcará uma época"

Tóquio, 14 mai (EFE).- O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, garantiu neste sábado que a visita do presidente americano, Barack Obama, à cidade de Hiroshima, onde os Estados Unidos lançaram em 1945 a bomba atômica, "marcará uma época" e fomentará o desarmamento nuclear no mundo.

A visita de Obama a Hiroshima será a primeira de um líder americano no cargo à cidade que, junto a Nagasaki, foi arrasada por uma bomba atômica, e vai acontecer em 27 de maio coincidindo com a realização da cúpula do G7 no Japão.

O primeiro-ministro japonês, que acompanhará Obama na sua visita a Hiroshima (oeste), afirmou em declarações recolhidas pela emissora pública "NHK" que espera que o presidente dos Estados Unidos "compreenda a realidade provocada pela radiação da bomba atômica".

Nesse sentido, Abe expressou seu desejo de que a histórica visita ajude a impulsionar o desarmamento nuclear no mundo e anunciou que ele e o presidente americano oferecerão suas condolências às vítimas do ataque perpetrado por aviões dos EUA em 6 de agosto de 1945.

Abe garantiu que sua determinação é que a visita de Obama a esta cidade, na qual morreram cerca de 250 mil pessoas, seja "um sucesso" e opinou que representa para a desnuclearização do mundo.

Por sua vez, a Casa Branca esclareceu nesta semana que não haverá uma desculpa pelo ataque dos EUA, que aconteceu no marco da Segunda Guerra Mundial e que somado ao executado contra Nagasaki forçou a capitulação do Japão poucos dias depois.

Além da próxima presença de Obama, o secretário de Estado americano visitou no mês passado a cidade de Hiroshima para lembrar as vítimas da bomba atômica na primeira homenagem de um alto cargo americano aos mortos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos