Combates entre EI e soldados afins a governo de união líbio deixam 7 mortos

Trípoli, 17 mai (EFE).- Pelo menos sete soldados das forças afins ao governo de união nacional líbio morreram na últimas horas em combates com membros da ramo do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) em Abu Qrin, ao oeste da cidade de Sirte, informou à Agência Efe uma fonte de Segurança.

Entre os mortos está o responsável da unidade secreta de desminagem, coronel Ibrahim Abdel Aal, e há além disso 15 feridos, segundo a fonte.

"As forças (leais ao governo de unidade) endureceram a ofensiva sobre a zona de Abu Qrin", situada no meio caminho entre a cidade de Misrata e Sirte, reduto dos islamitas no litoral do Mediterrâneo, acrescentou.

Aviões de combate bombardearam, por sua vez, várias áreas no leste e oeste de Sirte que deixaram um número indeterminado de mortos e suscitaram a confusão entre os jihadistas, afirmou a fonte.

O denominado governo de unidade líbio anunciou no final de abril que prepara uma ofensiva para libertar Sirte, sob controle jihadista desde junho de 2015, e pediu a todas as forças do país que conversem sobre suas diferenças e somem-se à operação mesma sem buscar benefícios políticos próprios.

No entanto, a recente decisão do antigo governo rebelde em Trípoli de estabelecer seu próprio centro de comando militar acrescentou mais confusão à ofensiva, da qual não foram revelados detalhes e que ninguém sabe quando pode começar.

Com o anúncio do gabinete liderado por Jalifa Ghwell são agora três os "centros de operações" que se preparam de forma não coordenada para o suposto ataque da cidade, de onde milhares de civis fugiram nos últimos dias.

Analistas advertem que a falta de coordenação e os interesses divergentes dos grupos, especialmente do de Hafter, ameaçam a ofensiva e podem abrir um novo episódio na atual guerra civil líbia.

A falta de coordenação também favorece aos jihadistas, que já começaram a lançar ataques na frente oeste e a buscar aliados no leste, onde prometeram às tribos uma anistia geral se apoiarem sua causa.

Na semana passada, o braço de propaganda da ramo líbia do EI garantiu que seu objetivo é celebrar nessa cidade o mês de jejum islâmico ou Ramadã, que começa em junho.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos