Paraguai diz que crise política no Brasil deve ser sanada "sem ingerências"

Madri, 22 mai (EFE).- O ministro de Indústria e Comércio do Paraguai, Gustavo Leite, afirmou neste domingo que considera que as instituições e a democracia do Brasil são as instâncias que devem solucionar os problemas do próprio país, "sem ingerências de outros".

"Se o Brasil vai bem, nós iremos melhor", disse Leite em entrevista à Agência Efe em Madri, onde hoje encerrou uma semana dedicada a mostrar à Espanha o potencial do Paraguai como alvo de investimentos.

Em relação à crise política no Brasil, Leite reiterou que o Paraguai "não vai interferir nos assuntos internos de outros países".

"Nós tivemos nosso próprio processo de impeachment em 2012 e não gostamos ser assessorados por outros países", lembrou.

Em junho de 2012, Fernando Lugo foi destituído como presidente do Paraguai em uma controverso julgamento político promovido pelo Legislativo após a morte de seis policiais e 11 trabalhadores rurais em um tiroteio durante uma operação de despejo em uma fazenda em Curuguaty, no nordeste do Paraguai.

O ministro destacou que o Paraguai foi "um dos poucos países do mundo que conseguiu aumentar exportações para o Brasil" graças a sua competitividade e, apesar da crise brasileira, foram instaladas novas indústrias no Paraguai, onde 80% procedem do Brasil.

Leite lembrou o programa de governo do presidente Horacio Cartes, que pretende "substituir, no Paraguai, tudo aquilo que o Brasil importa da Ásia" e defendeu que é algo que "faz sentido até em época de crise".

"O que nós, como país irmão e amigo, queremos para o Brasil é o melhor, mas nos temas políticos o Paraguai foi muito claro, e acredito que foi um exemplo", concluiu.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos