Tadjiquistão aprova reforma que permite qe presidente se perpetue no poder

Moscou, 23 mai (EFE).- Quase 95% dos cidadãos do Tadjiquistão respaldaram no referendo de domingo as reformas constitucionais que permitem ao presidente Emomali Rakhmov se perpetuar no poder, segundo dados divulgados nesta segunda-feira pela Comissão Eleitoral Central (CEC) dessa antiga república soviética na Ásia Central.

"A favor das emendas à Constituição votaram 3.814.447 cidadãos, ou seja 94,5% dos participantes da consulta", anunciou o presidente da CEC, Bajtiyor Judoyorozoda, à agência russa "Interfax".

No referendo, segundo os dados oficiais, participaram 92% dos cidadãos do censo eleitoral, cifrado em pouco mais de 4 milhões de pessoas.

Os cidadãos aprovaram um pacote de 41 reformas constitucionais, nas quais destaca-se a derrogação do teto de dois mandatos presidenciais para o "líder de nação", Rajmón, no poder desde 1992.

Esta é a segunda reforma constitucional que permite que Rajmón Rakhmov burle as limitações de mandatos, já que em 2003 introduziu emendas para seguir no poder até o final desta década.

Além disso, os cidadãos aprovaram reduzir de 35 a 30 anos a idade mínima requerida para que um candidato concorra à presidência, o que disparou os rumores de que Rajmón está aplainando o caminho a seu filho mais velho, Rustam, de 29 anos.

Ou seja, em 2020 o filho de Rkhmov terá 33 anos, por isso que estará legitimado para herdar o cargo.

As emendas constitucionais se somam a outra lei aprovada em dezembro na qual recebeu o título de "líder da nação", o que colocou o presidente "acima da Carta Magna" e garantiu para sua família imunidade vitalícia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos