Presidente taiuanesa pede que China fomente democracia e direitos políticos

Taipé, 4 jun (EFE).- A China deve avaliar quem lá luta pela democracia e ganhar maior respeito internacional ampliando os direitos políticos, disse neste sábado a presidente taiuanesa, Tsai Ing-wen, por ocasião do 27º aniversário do massacre de Praça da Paz Celestial.

"Não tenho intenção de criticar o sistema político chinês", acrescentou Tsai em sua página no Facebook, em referência à repressão mortal e violenta contra manifestantes pró-democracia na praça de Praça da Paz Celestial.

"Estou disposta, com sinceridade de coração, a compartilhar a experiência de Taiwan em caminho rumo à democracia", disse a presidente.

Tsai reconheceu o progresso econômico da China e a melhora na qualidade de vida de seus cidadãos, que atribui aos esforços realizados pelo "partido no poder", o Partido Comunista da China (PCCh).

O organismo taiuanês encarregado dos laços com a China, o Conselho de Assuntos da China Continental (CACC), reiterou na sexta-feira, em comunicado, que a China deve se esforçar para estancar as feridas do "massacre" da praça de Praça da Paz Celestial e abraçar a reforma.

A liberdade, a democracia, os direitos humanos e o estado de direito "são uma forma de vida e valores universais aceitos pelas pessoas no mundo todo", acrescentou o conselho.

O CACC afirmou que a China propôs recentemente uma visão de desenvolvimento "centrado nas pessoas" e se comprometeu a manter a justiça social e proteger os direitos humanos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos