Democratas disputam últimas primárias, enquanto Trump saboreia a vitória

Beatriz Pascual Macías.

Washington, 5 jun (EFE).- Os pré-candidatos à indicação presidencial democrata, Hillary Clinton e Bernie Sanders, se enfrentarão nesta terça-feira em meia dúzia de estados dos Estados Unidos durante a reta final das eleições primárias, enquanto o virtual candidato republicano Donald Trump já saboreia a vitória.

A etapa de primárias chegará praticamente a seu fim na próxima terça-feira, quando Califórnia, Montana, Nova Jersey, Novo México, Dakota do Norte e Dakota do Sul realizam eleições.

O pleito democrata de 14 de junho no Distrito de Columbia será o último ato do agitado período de primárias, mas esta terça-feira é crucial para as eleições presidenciais, pois serão distribuídos 303 delegados no lado republicano e 806 entre os democratas.

As chances de Sanders ser o candidato democrata são quase zero, levando em conta que a ex-secretária de Estado está a apenas 60 delegados de atingir os 2.383 necessários para se transformar oficialmente na indicada por seu partido para as eleições presidenciais de novembro.

No entanto, tanto Sanders como Hillary aumentaram seus esforços na Califórnia, que na terça-feira reparte de forma proporcional 546 delegados encarregados de designar de maneira oficial o candidato democrata na convenção que será realizada em julho na Filadélfia (Pensilvânia).

Na última semana, Sanders, senador independente por Vermont, diminuiu quase 10 pontos que o distanciavam de Hillary, que tem 47,7% do apoio da opinião pública da Califórnia contra 43% do respaldo que recebe o legislador, segundo o site Real Clear Politics, que elabora uma média diária das principais pesquisas.

Na Califórnia, onde há em jogo 172 delegados republicanos, Trump enfrenta um estado com 40% de população latina, minoria contra a qual concentrou seus ataques.

Durante a campanha, Trump repetiu que quer ganhar as eleições presidenciais em estados nos quais os republicanos não triunfam desde a década dos 80, como Oregon, Nova York e a própria Califórnia, onde o último republicano a ganhar foi George H.W. Bush em 1988.

Os discursos de Trump na Califórnia apareceram na TV e nas capas dos jornais por episódios de violência como o registrado na semana passada em San José, onde houve várias detenções após uma batalha campal na qual se lançaram garrafas e ovos contra simpatizantes do magnata.

Essa rejeição visceral contra Trump pode traduzir-se em pouca participação eleitoral tanto na Califórnia como no Novo México, outro estado com uma grande proporção de latinos e onde o magnata insultou a republicana Susana Martínez, a primeira mulher latina governadora de todo o país.

O Novo México reparte 24 delegados entre os republicanos e 43 entre os democratas.

Segundo o Real Clear Politics, a última pesquisa sobre o pleito realizada no Novo México foi feita em fevereiro e mostrou Hillary 14 pontos acima de Sanders, embora seja pouco significativa porque muita coisa mudou na corrida democrata desde então.

Por outro lado, em Nova Jersey estão em jogo 51 delegados republicanos, 142 delegados democratas e este pode ser o lugar onde Hillary cruze a barreira dos 2.383 delegados para se tornar a virtual indicada democrata, segundo o site especializado em política e eleições Five Thirty Eight.

Nova Jersey, na costa leste dos EUA, reparte menos delegados que Califórnia, na costa oeste, mas as urnas fecham antes e, se Hillary conseguir votos suficientes, pode garantir a vitória já no início da noite.

Hillary provavelmente conseguirá na terça-feira os delegados necessários para a indicação, mas Sanders prometeu seguir batalhando até a convenção de julho e tem a esperança de ganhar na Califórnia, o prêmio principal da noite, assim como em Montana, Dakota do Norte e Dakota do Sul, que repartem 75 delegados democratas no total.

A Dakota do Norte realizará caucus (assembleias populares) para os democratas, enquanto os republicanos não votarão nesta região e permitirão que seus 28 delegados estaduais votem em quem quiser na convenção nacional de julho em Cleverland (Ohio).

O período de primárias, que começou em fevereiro em Iowa e New Hampshire, é especialmente longo para os democratas em comparação com 2008, quando o agora presidente Barack Obama garantiu a indicação em 3 de junho, vencendo Hillary Clinton.

No lado republicano Trump assegurou sua indicação no dia 26 de maio, quase na mesma data na qual Mitt Romney obteve em 29 de maio de 2012 a candidatura republicana.

Trump saboreia uma indicação segura, mas enfrenta o desafio de unir seu partido para recuperar a Casa Branca e conservar a maioria no Congresso, onde legisladores importantes como o senador pelo Arizona, John McCain, temem perder sua cadeira pelas propostas xenófobas do magnata.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos