Unasul critica violência em Caracas e pede que Venezuela esclareça incidentes

Quito, 9 jun (EFE).- A Secretaria-Geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) criticou a violência registrada nesta quinta-feira em Caracas e pediu às autoridades da Venezuela para esclarecer os fatos e determinar quem são os responsáveis.

Em comunicado, a Unasul afirmou que os ex-presidentes José Luis Rodríguez Zapatero (Espanha), Leonel Fernández (República Dominicana) e Martín Torrijos (Panamá), que acompanham, à pedido do órgão, o esforço para estabelecer os fundamentos de um diálogo nacional no país, também criticaram a violência.

"A Unasul e os ex-presidentes expressam sua rejeição a todo tipo de violência que possa afetar a firme determinação de todos os venezuelanos, apoiados pela comunidade internacional, para chegar as condições que permitam chegar a uma convivência pacífica", disse o comunicado divulgado pelo órgão.

"Fazemos um firme chamado às autoridades competentes para esclarecer os fatos e as responsabilidades correspondentes. Pedimos que todos os atores políticos da Venezuela para solucionar de maneira pacífica e democrática suas legítimas diferenças", completou a nota da Unasul.

A reação da Unasul ocorreu depois de vários deputados venezuelanos, entre eles o líder da bancada opositora, Julio Borges, terem sido agredidos hoje em frente à sede da Justiça Eleitoral. Eles protestavam para exigir uma resposta do órgão sobre o processo de referendo revogatório do mandato do presidente Nicolás Maduro.

Borges foi agredido por supostos partidários do chavismo quando liderada a manifestação dos parlamentares em favor do referendo para tirar Maduro do poder em frente à sede do Conselho Nacional Eleitoral (CNE). Ele estava acompanhado de mais de 60 deputados, que foram vítimas de ações similares.

A violência teve início quando os deputados e manifestantes da oposição tentaram passar pela barricada montada pela Polícia e a Guarda Nacional em torno do CNE. Os agentes expulsaram os deputados à força do local. Na sequência, eles foram agredidos por supostos apoiadores do governo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos