Macri tem aprovação de 51% dos argentinos; índice cai 14 pontos em 6 meses

Em Buenos Aires

  • Victoria Egurza/Telam/Xinhua

Com seis meses de governo completados nesta sexta-feira, 51,4% dos argentinos aprovam o governo de Mauricio Macri, enquanto 45,1% tem uma imagem ruim ou muito ruim, segundo uma pesquisa divulgada hoje, que acrescenta que o Executivo perdeu até agora 14 pontos de avaliação positiva e ganhou 19,8 de negativa.

A empresa de consultoria privada Ibarómetro destacou que, mesmo assim, continua sendo maior o número de cidadãos que aprovam o governo de Macri.

As mulheres e os maiores de 50 anos são os setores mais favoráveis à gestão da coalizão conservadora Cambiemos.

Quanto às visões positivas sobre as atitudes do presidente, 54% destaca sua capacidade de diálogo e 50% sua "firmeza e autoridade". Além disso, seis de cada dez argentinos concordam que seu governo quer maior diálogo, honestidade e transparência.

Na hora de avaliar as ações concretas iniciadas pelas distintas pastas do Executivo, nenhuma alcança uma opinião positiva majoritária, com as piores avaliações para as áreas de economia e saúde.

Por outro lado, 72,1% dos indagados diz que a situação econômica do país é ruim ou muito ruim, e só 22,9% pensa que seja boa ou muito boa, enquanto um de cada dois respondeu que dentro de um ano melhorará ou seguirá igual.

Metade dos consultados afirma que toda essa situação é produto da "herança recebida" dos governos de Néstor e Cristina Kirchner, mas 45% considera que o ajuste poderia ter sido evitado, segundo a Ibarómetro.

De acordo com a pesquisa, os problemas socioeconômicos constituem a principal preocupação dos argentinos (48,1%), uma tendência que se consolida após seis meses de governo e dentro da qual as inquietações associadas com a pobreza são as que mostram o maior crescimento.

A pesquisa foi realizada por telefone, entre os dias 5 e 8 de junho, com 1.200 pessoas com mais de 16 anos de todo o país e tem uma margem de erro de 2,8 pontos percentuais para mais ou para menos.

"Hoje se completam seis meses desde esse dia em que começamos a caminhar juntos rumo a uma Argentina com pobreza zero, a essa Argentina que expulse o narcotráfico e a essa Argentina unida", afirmou Macri durante um ato na cidade de Yapeyú, na província de Corrientes.

O presidente argentino se mostrou convencido de ter superado os "obstáculos" que impediam o país de crescer.

Por sua parte, a oposição peronista, liderada pelo partido kirchnerista Frente para a Vitória (Fpv), criticou hoje a gestão de Macri e comparou os seis primeiros meses de seu governo com o mesmo período de tempo da gestão do falecido ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007)

"Enquanto Macri escolheu culpar outros pelas decisões que decidiu implementar, Kirchner cumpriu o mandato dado por aqueles que confiaram nele para que tomasse as rédeas de um país destroçado e sem rumo", afirmou o bloco de deputados do Fpv em comunicado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos