Pelo menos 224 civis morreram na Síria na primeira semana do Ramadã

Cairo, 13 jun (EFE).- Pelo menos 224 civis, entre eles 67 menores de idade, morreram na Síria durante a primeira semana do mês sagrado muçulmano do Ramadã, que começou no último dia 6 de junho, em sua maioria por bombardeios da aviação síria e russa.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos informou nesta segunda-feira que os ataques sírios e russos deixaram 148 mortos, dos quais 50 eram crianças e 15 mulheres, enquanto 18 pessoas morreram pela artilharia do regime de Damasco.

Outros 15 civis morreram em bombardeios aéreos da coalizão internacional, liderada pelos EUA, e 12 em ataques das facções rebeldes e islamitas e do grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

A supressão do Observatório indica que 13 pessoas perderam a vida pela explosão de um carro-bomba e um atentado suicida com um cinturão carregado com explosivos.

Quatro cidadãos sírios morreram por disparos dos guardas de fronteiras turcos, e três sob tortura nos centros de detenção do regime sírio.

A ONG também documentou que uma criança morreu devido à falta de tratamento médico, um homem foi executado pelo EI, e dez pessoas perderam a vida pela explosão de minas, disparos e outras circunstâncias.

"A santidade do mês do Ramadã não conseguiu dissuadir os assassinos para que cessem seus permanentes crimes contra os civis sírios", lamentou em comunicado o Observatório.

O jejum em Ramadã, junto à reza, o testemunho de fé, a esmola e a peregrinação à cidade santa saudita de Meca são os cinco pilares da religião islâmica.

Durante esse mês, os fiéis devem demonstrar devoção, piedade e generosidade com os demais, por isso que devem evitar a violência ou más condutas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos