China mostra "firme oposição" à reunião de Obama com Dalai Lama

Pequim, 15 jun (EFE).- O governo chinês mostrou sua "firme oposição" à reunião desta quarta-feira na Casa Branca entre o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e Dalai Lama, em um encontro catalogado como visita privada.

"Dalai Lama não é só uma figura religiosa, é uma exilado político que durante muito tempo esteve envolvido em atividades separatistas sob a cobertura da religião", afirmou hoje em entrevista coletiva um porta-voz das Relações Exteriores, Lu Kang.

Kang acrescentou que se a reunião entre Obama e Dalai Lama ocorrer, "enviará um sinal equivocado às forças separatistas que buscam a independência do Tibete e danificaria a confiança e cooperação" entre Pequim e Washington.

Esta resposta seguiu ao anúncio de que Obama receberá em uma visita privada o líder espiritual budista, um encontro que acontecerá na sala de mapas da residência presidencial americana.

Kang indicou que o Ministério chinês das Relações Exteriores informou a Washington sobre sua "firme oposição" ao encontro, já que os assuntos do Tibete são "questões domésticas da China" e nenhum país tem direito a interferir nele.

"China acredita que os Estados Unidos manterão seu compromisso de que Tibete é parte da China e que não apoiará a independência de Tibete", concluiu.

Pequim mantém que o Tibete é parte inseparável da China e que Dalai Lama é um líder dos independentistas tibetanos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos