Nicarágua afirma que expulsou americanos por realizar tarefas de segurança

Manágua, 16 jun (EFE).- O governo da Nicarágua afirmou nesta quinta-feira que expulsou dois funcionários americanos e não três, como afirmou o Departamento de Estado dos Estados Unidos, por realizarem tarefas de segurança "próprias" do Executivo presidido pelo sandinista Daniel Ortega.

"Nosso governo se viu obrigado a retirar duas pessoas que, sendo funcionários do governo americano, e com passaporte oficial, realizavam na Nicarágua, inconsciente e sem coordenação alguma com nossas autoridades, tarefas próprias da competência do governo da Nicarágua", afirmou o Executivo nicaraguense em uma declaração pública.

Os funcionários americanos, os quais o governo não identificou, foram devolvidos a seu país "nos últimos dias" por realizar tarefas de segurança e certidão de alfândegas e trânsito de mercadorias para os Estados Unidos, relacionadas com a luta contra o terrorismo, segundo a fonte oficial.

"O governo da Nicarágua reiterou às autoridades do governo dos Estados Unidos a necessidade de informar sobre as missões oficiais que chegam à Nicarágua, e coordenar seu trabalho, a fim de que nos seja possível facilitar sua eficácia, e assegurar as medidas necessárias de proteção durante sua estadia em nosso país", indicou o Executivo em sua carta.

O governo assegurou que, em relação a essa "situação anômala", o embaixador nicaraguense em Washington, Francisco Campbell, apresentou uma nota oficial ao Departamento de Estado com essa posição.

Três funcionários do governo dos Estados Unidos foram expulsos esta semana da Nicarágua, segundo afirmou hoje o porta-voz do Departamento de Estado americano, John Kirby, que advertiu que esta ação afetará as relações bilaterais.

A expulsão aconteceu pouco depois de os funcionários terem chegado à Nicarágua para uma missão temporária.

"Este tratamento tem o potencial de impactar negativamente nas relações bilaterais entre EUA e Nicarágua, em particular em nível comercial", declarou Kirby.

O porta-voz explicou que o governo americano transmitiu seu "forte descontentamento" pelo ocorrido através do embaixador nicaraguense em Washington, Francisco Campbell.

"Deixamos claras nossas preocupações sobre esta expulsão. Achamos que foi injustificada e incompatível com o programa positivo e construtivo que buscamos com o governo da Nicarágua", reiterou Kirby.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos