Bill Gates adverte que "brexit" deixará Reino Unido menos atrativo

Londres, 17 jun (EFE).- O empresário e filantropo americano Bill Gates advertiu que o Reino Unido será um lugar "menos atrativo para fazer negócios e investir" se sair da União Europeia (UE), em carta divulgada nesta sexta-feira no jornal "The Times".

Em sua carta, o homem mais rico do mundo, que investiu em torno de US$ 1 bilhão em diversas iniciativas no país, ressaltou a importância de poder ter acesso ao mercado único europeu e influenciar na tomada de decisões em Bruxelas.

"Os investimentos no Reino Unido fazem sentido pelos ativos únicos que tem, como excelentes universidades com um grande legado em ciência e inovação, empresas de saúde líderes como GlaxoSmithKline e acesso ao mercado único", escreveu.

"Embora eventualmente seja um assunto que deve ser decidido pelo povo britânico, é claro para mim que se o Reino Unido decidir sair da UE, será um lugar substancialmente menos atrativo para fazer negócios e investir", afirma.

Gates afirmou que, em caso de "brexit" (saída do Reino Unido da UE), seria mais complicado recrutar as pessoas adequadas de todo o continente e "mais difícil obter o financiamento necessário para bens públicos como novos remédios e soluções de energia limpa, para os que são necessários parcerias".

O fundador da Microsoft, que investe sua fortuna em causas benéficas, ressaltou a capacidade negociadora do Reino Unido em Bruxelas e sua influência em "debates cruciais".

"A Europa é mais forte com o Reino Unido dentro e o Reino Unido é mais forte, mais próspero e mais influente como membro da União Europeia", concluiu.

O discurso do magnata coincide com a publicação pela empresa de consultoria Charterhouse Research de uma pesquisa que indica que 62% das grandes empresas -que têm um faturamento superior a 25 milhões de libras (32 milhões de euros) anuais- acreditam que o "brexit" prejudicaria a economia.

A saída da UE preocupa menos os empreendedores e os pequenos negócios, e, segundo este estudo, só 34% das firmas com um faturamento inferior a 100 mil libras por ano (127 mil euros) opinaram que seria contraproducente.

Os britânicos decidirão na próxima quinta-feira em um histórico referendo se querem permanecer ou sair da União Europeia.

A campanha prévia à consulta foi suspensa temporariamente como demonstração de respeito após a morte ontem da deputada trabalhista Jo Cox, que faleceu após ser atingida por disparos feitos por um homem em uma rua de Birstall, no norte da Inglaterra.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos