Escola prepara mulheres cambojanas para serem "a nora perfeita"

Ricardo Pérez-Solero.

Phnom Penh, 22 jun (EFE).- Há uma escola no Camboja que ensina a mulheres habilidades domésticas e normas sociais para serem boas noras, segundo antigas leis que regem o comportamento da mulher no país, mas que começam a ser questionadas por movimentos feministas.

Entre pôsteres de cozinha e frutas esculpidas, Chanvicheka Phan, uma das estudantes, repassa algumas anotações de seu caderno que indicam como deverá respeitar seu marido e sogros quando estiver casada.

Phan, de 23 anos, se preocupa com seus sogros já que "no Camboja são muito rigorosos com suas noras e se importam com tudo, te julgam o tempo todo, por isso é preciso estarmos atentas com tudo o que fazemos".

Lim Mouly Ratana, fundadora da escola Koun Brosar Srey (A Nora), começou a dar aulas de culinária em 2001 e, após perceber em suas estudantes lacunas na educação pública, decidiu em 2009 transformar o curso em uma preparação para o casamento.

"Podemos dar às meninas o conhecimento para solucionar problemas e também ensiná-las a responsabilidade que terão quando tiverem uma família", afirmou a professora em sua sala de aula-cozinha situada em um bairro no centro de Phnom Penh.

Entre as matérias há esculturas em frutas, doces cambojanos e ocidentais, culinária, costura, arranjos florais e parte do "Chbab srey" ("Normas da mulher", em cambojano), um poema didático que alguns estudiosos datam nos princípios do século XIX.

O "Chbab srey", junto com sua versão para os homens, o "Chbab proh", marcou os papéis de gênero no Camboja desde sua criação.

"Incluo também as normas, mas só as que considero importantes", esclareceu Lim Mouly Ratana, consciente da controvérsia que o poema provoca por suas conotações sexistas.

O governo retirou o "Chbab srey" do currículo escolar em 2007 a pedido do Ministério de Assuntos da Mulher, mas parte de seu conteúdo ainda é ensinado em alguns colégios, sobretudo em zonas rurais.

Para a acadêmica australiana Trude Jacobsen, que viveu de forma intermitente no Camboja desde os 14 anos, o poema mostra um ideal de sociedade baseado "no privilégio do homem e na submissão da mulher", segundo descreveu em artigo acadêmico.

No entanto, Lim Mouly Ratana considera que as regras que desencorajam as mulheres a falar dos problemas do lar são úteis já que "se falarmos com gente diferente, o problema será cada vez maior, e nossa reputação cada vez pior".

O fundador da Rede de Homens Cambojanos, que defende o empoderamento da mulher, Chhay Kim Sore, avalia o respeito como parte da cultura tradicional khmer, mas afirma que é necessário mudar alguns valores.

"Não ensinam as mulheres a serem independentes, não ensinam a ter iniciativa e tomar decisões, os pais ou irmãos dizem que tem que fazer isso ou aquilo, e se as mulheres não obedecem, significa que não os respeita", lamentou o ativista.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a violência contra a mulher como uma das principais consequências das diferenças de gênero no Camboja, segundo um relatório publicado em 2015.

O estudo indica que 21% das indagadas pela OMS sofreram violência física ou sexual de seu companheiro e cerca da metade delas não contou a ninguém.

Além disso, só 6,5% denunciou à polícia e 2% buscou assistência legal, o que demonstra, segundo o relatório, que "o sistema legal tem pouco a oferecer em termos de proteção ou assistência".

Thavry Thul, uma jovem empreendedora cambojana que escreve um livro sobre o "Chbab srey" e o efeito das diferenças de gênero, assegura que as normas tradicionais têm que ser desafiadas.

"Os homens são de ouro e as mulheres de tecido, não têm valor", criticou Thavry, citando parte de um ditado sobre a virgindade que predica que os homens "podem ser lavados como o ouro", mas as mulheres não.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos