Ex-dirigente do IRA será julgado por assassinato de viúva católica em 1972

Dublin, 7 jul (EFE).- O norte-irlandês Ivor Bell, histórico dirigente do já inativo Exército Republicano Irlandês (IRA, na sigla em inglês) em Belfast, será julgado pelo assassinato da católica Jean McConville, um crime cometido na Irlanda do Norte em 1972 por essa organização paramilitar, informaram nesta quinta-feira fontes oficiais.

O acusado, de 79 anos, será processado por suposta cumplicidade no sequestro, assassinato e posterior enterro em um local secreto de McConville, assim como por filiação a grupo armado.

A juíza instrutora, Amanda Henderson, afirmou que as provas apresentadas pela Promotoria são suficientemente sólidas para justificar o processo contra Bell por um crime que comoveu a sociedade irlandesa da época.

McConville, viúva de 37 anos e mãe de dez filhos, foi executada pelo IRA após ser acusada de espionar para as forças britânicas, o que era falso, e seu corpo só foi encontrado em 2003, quatro anos depois que o grupo reconheceu sua autoria e deu pistas sobre o paradeiro.

A vítima foi uma das 17 pessoas - 19 homens e uma mulher, os chamados "Desaparecidos" - que o IRA sequestrou, assassinou e enterrou em lugares secretos por colaborar supostamente com as forças da ordem durante o conflito norte-irlandês.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos