Exército turco chama Erdogan de "traidor" e declara lei marcial

Ancara, 15 jul (EFE).- O Exército da Turquia chamou nesta sexta-feira o presidente do país, Recep Tayyip Erdogan, de "traidor", o acusou de ter estabelecido um "regime autoritário do medo" e declarou um toque de recolher para todo o país, além da lei marcial.

Em comunicado lido pela rede de televisão "TRT", o Exército afirma que o país será governado por um chamado "Conselho de Paz em Casa" para dar "a todos os cidadãos todos os direitos e restabelecer a ordem constitucional".

Sob Erdogan, "todas as instituições do Estado começaram a ser projetadas com propósitos ideológicos e o Estado de direito secular foi, "de fato, eliminado", acrescenta o comunicado.

O exército turco ordenou a todas as emissoras que transmitam esta mesma declaração, segundo a qual "o poder político que perdeu sua legitimidade foi derrubado e (seus responsáveis) serão processados". EFE

dt-jk/id

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos