Clérigo turco diz que Erdogan pode ter simulado golpe na Turquia

Washington, 16 jul (EFE).- O líder da Aliança pelos Valores Compartilhados, o clérigo turco Fethullah Gülen, insinuou neste sábado, desde seu exílio nos Estados Unidos, que o golpe militar fracassado na Turquia pode ter sido orquestrado e simulado pelo próprio presidente do país, Recep Tayyip Erdogan.

Em um breve discurso realizado em frente a sua residência em Saylorsburg, na Pensilvânia, Gülen, acusado pelo governo turco de ter sido responsável pelo golpe, afirmou que tomar o poder na força não é o caminho para a mudança na Turquia.

"Há uma leve possibilidade de ter sido um golpe encenado", afirmou Gülen, que voltou a negar sua participação no movimento fracassado na Turquia, que deixou mais de 160 mortos.

Dezenas de simpatizantes de Erdogan estão desde a noite de sexta-feira em frente à casa de Gülen protestando contra o clérigo e exigindo que ele seja extraditado e processado na Turquia.

Após ter conseguido retomar o controle do país, Erdogan afirmou que alguns dos militares envolvidos no golpe recebiam "ordens do personagem da Pensilvânia", em referência a Gülen.

O presidente turco hoje exigiu a extradição do clérigo aos EUA. Mais cedo, antes do pedido de Erdogan, o secretário de Estado americano, John Kerry, solicitou "provas legítimas" da participação do líder opositor no golpe de Estado.

Ex-aliado de Erdogan, Gülen se exilou nos EUA depois de o presidente turco o ter acusado de promover uma investigação por corrupção contra o seu governo em 2013. Desde então, o clérigo foi incluído na lista de terroristas mais procurados da Turquia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos