Dois ministros turcos viajarão aos EUA para pedir extradição de Gülen

Istambul, 22 jul (EFE).- Os ministros turcos das Relações Exteriores, Mevlüt Cavusoglu, e Justiça, Bekir Bozdag, viajarão na próxima semana aos EUA para negociar com as autoridades americanas uma eventual extradição do predicador turco Fethullah Gülen, residente na Pensilvânia, informa nesta sexta-feira a agência "Anadolu".

O governo turco acusa Gülen de ter instigadado o fracassado golpe militar de 15 de julho através de suas redes de seguidores na Turquia, algo que o predicador rejeitou após qualificá-lo de "ridículo, irresponsável e falso".

O ministro da Energia, Berat Albayrak, anunciou hoje nos veículos de imprensa de seu país a viagem de seus colegas, embora não precisou a data e se limitou a dizer que será "na próxima semana".

Os ministros se propõem a convencer as autoridades americanas para que extraditem Gülen, que viajou aos Estados Unidos em 1999 com um passaporte turco reservado a altos cargos, e desde então vive legalmente perto da cidade de Saylorsburg, na Pensilvânia.

A Turquia enviou na terça-feira passada um dossiê a Washington, mas as autoridades americanas não confirmaram que trate-se de uma solicitação de extradição formal através dos canais previstos.

O secretário de Estado americano, John Kerry, pediu de forma reiterada à Turquia que envie "provas, não acusações", a quem o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, respondeu que serão enviadas essas provas.

Em processo de extradição, a Justiça americana deverá avaliar as provas e determinar se demonstram um ato que também é considerado delitivo nos Estados Unidos antes de poder dar sinal verde a uma extradição, processo no qual poderão intervir os advogados de Gülen.

O predicador de 75 anos, cujas doutrinas foram apresentadas como uma forma espiritual e dialogante do islã, mas se baseiam no ideário fundamentalista do teólogo turco Said Nursi, era até 2013 um dos melhores aliados do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e sua confraria liderava os esforços do governo turco de islamizar a sociedade e marginalizar os coletivos laicos.

Desde o ano passado, a Procuradoria turca descreve esta confraria com o nome de "Organização Terrorista Fethullah Gülen (FETÖ)", apesar de nunca ter sido vinculada a atos violentos e nem armados, até o fracassado golpe da sexta-feira.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos