Quase 3.000 refugiados morreram no Mediterrâneo desde início do ano

Genebra, 22 jul (EFE).- Quase 3.000 imigrantes e refugiados morreram no Mediterrâneo desde o início deste ano, o maior número em um período tão curto desde que começou a crise de refugiados na Europa há quatro anos, revelou nesta sexta-feira a Organização Internacional de Migrações (OIM).

"Este é o terceiro ano consecutivo no qual as vítimas fatais superam as 3.000, mas nunca tinha ocorrido tão em breve no transcurso do ano, antes do final de julho, o que é muito alarmante", disse o porta-voz da OIM em Genebra, Joel Millman.

Cerca de 90% dessas mortes foram registradas no Mediterrâneo central, entre Líbia e Itália, e em praticamente todos estes casos as vítimas vinham de países de África Subsaariana.

De todos esses casos, quase 2.500 aconteceram só nos últimos quatro meses, o que significa uma média diária de 20 afogados.

Um número similar de mortos em sua travessia pelo Mediterrâneo rumo à Europa foi atingido em setembro em 2014 e em outubro do ano seguinte, disse Millman para ilustrar a gravidade da situação.

A entidade também informou que mais de 242 mil imigrantes e refugiados entraram na Europa por mar este ano, com o êxodo que se transferiu do Mediterrâneo oriental (entre Turquia e as ilhas gregas) para acontecer agora quase exclusivamente através das rotas que partem do litoral da Líbia rumo a território italiano.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos