Chefe da AI na Tailândia é acusada de crime por publicar relatório de tortura

Bangcoc, 26 jul (EFE).- A presidente da junta direção da Anistia Internacional Tailândia, Porpen Khongkaconkiet, e outros dois ativistas foram acusados nesta terça-feira de "crimes informáticos" e "difamação" por um relatório no qual denunciaram torturas cometidas pelas forças de segurança.

"As autoridades tailandesas devem retirar imediatamente as acusações contra Somchai Homla-or, Anchana Heemmina e Porpen Khongkaconkiet. Não é um crime investigar as violações dos direitos humanos", disse Champa Pate, investigador da Anistia Internacional através de um comunicado.

"A verdadeira injustiça é que estes três valentes defensores dos direitos humanos estejam sendo castigados por denunciar torturas, enquanto são amparados os soldados que cometeram estes atos horrendos", acrescentou o ativista.

O trio publicou em fevereiro deste ano um relatório que documentava 54 casos de tortura e outros maus tratos cometidos pela Polícia e o Exército na região do sul do país, palco de um conflito separatista muçulmano que deixou mais de 6,5 mil mortos desde 2004.

"Desde o golpe de Estado de 2014, o governo militar da Tailândia intensificou seus esforços para aplacar todas as formas de dissidência, com métodos como impor amplas restrições do direito à liberdade de expressão, reunião e associação", segundo a Anistia Internacional.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos